Mesmo em recesso, Congresso faz convocações

Comissão de 17 deputados e 8 senadores pretende ouvir toda a cúpula do setor aéreo em agosto

Eugênia Lopes e João Domingos, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2007 | 05h13

Mesmo em recesso, o Congresso decidiu ontem pedir a convocação de toda a cúpula da administração governamental do setor aéreo. A partir de requerimento do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), a Comissão Representativa do Congresso pediu que sejam convocados a explicar a crise aérea os presidentes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, e da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, e o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito. A Comissão Representativa tem 17 deputados e 8 senadores e cabe ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fazer a convocação. O recesso parlamentar, que começou ontem, termina dia 31. ''''Mais do que um acidente, foi uma tragédia anunciada. Até que me provem o contrário, o governo tem responsabilidade pelo acidente'''', afirmou Jungmann, que fez o requerimento em nome do PPS e do PSDB. As convocações devem ocorrer no início de agosto. Os partidos de oposição decidiram cobrar do governo ações para pôr fim à crise do setor. Eles culparam o governo federal por não ter investido em infra-estrutura aeroportuária. Pela primeira vez desde que começou a CPI do Apagão Aéreo da Câmara, o relator Marco Maia (PT-RS) admitiu ontem que a investigação tem de ser ampliada para averiguar as obras feitas nas pistas do Aeroporto de Congonhas pela Infraero. ''''Vamos investigar o acidente mas também suas conexões, como as obras em Congonhas'''', afirmou. ''''Mas não podemos ser precipitados nas análises. Temos de esperar as investigações e as informações da caixa preta do avião.'''' O tom das cobranças foi dado logo de manhã, em nota do líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM). ''''Até quando? Esperar a próxima mortandade? Ou enfrentar a crise do setor aéreo com caráter, coragem e competência? Inventar culpados? Tirar o corpo fora? Assumir o desgoverno? O presidente Lula precisa agir e não falar. Ou seu período se marcará pelo sofrimento e pela dor de tantos brasileiros que poderiam estar vivos'''', criticou. O PSOL também culpou o governo. ''''A desgraça decorre de irresponsável parceria público-privada: órgãos omissos, como Infraero, Anac e Aeronáutica, mais voltados aos meganegócios dos aeroshoppings e o enquadramento militar dos controladores de vôo do que para a segurança das pistas e dos vôos, e empresas aéreas gananciosas, que sacrificam suas tripulações e equipamentos'''', afirmaram os deputados Luciana Genro (RS) e Ivan Valente (SP). O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse que não tem conhecimentos técnicos para fazer uma análise sobre o acidente e sugeriu que seja aguardada a abertura da caixa preta do Airbus. Mas ele acha que as CPIs do Apagão Aéreo da Câmara e do Senado devem investigar e fazer um diagnóstico. ''''Há muito tráfico em Congonhas? Há insegurança? A pista não tem padrão internacional? Se não tiver, tem de ser fechada imediatamente, independentemente de pressões que possam vir.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.