Meta de racionamento no Rio pode ser reduzida a zero

O ministro de Minas e Energia, José Jorge, disse hoje que o governo poderá reduzir a zero a meta de economia de energia para consumidores residenciais e comerciais na cidade do Rio de Janeiro e outras que consomem mais energia no verão do que no inverno e até autorizá-las a receber uma quantidade adicional de eletricidade. Jorge fez esse anúncio na Confederação Nacional do Transporte (CNT), após cerimônia de lançamento do Projeto Economizar.A meta anunciada para o período de dezembro a fevereiro prevê uma economia de energia de 7% para essas cidades, o que equivale a um gasto de 93% do consumo verificado de maio a julho do ano passado. O estudo sobre a revisão das metas do Rio de Janeiro e outras cidades está sendo feito pelo governo por solicitação da população do Rio, que considera insuficiente a redução da meta de economia de 20% para 7%.Segundo os cariocas, a quantidade de energia que resulta dessa redução é muito inferior à que é consumida normalmente no verão, a qual é maior do que a que é gasta de maio a julho. O ministro disse, no entanto, que a base atual de consumo pela qual as autoridades estão se orientando não será substituída por uma nova base que reflita o consumo de verão.Jorge afirmou que há dificuldades legais para se fazer isso. O ministro disse ainda que a fixação de uma meta de economia de energia inferior a zero (se comparado o consumo com a média do inverno do ano passado) não significará o fim do racionamento para as cidades beneficiadas. Isso só aconteceria, segundo o ministro, se esses consumidores residenciais e comerciais não tivessem limite de gasto de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.