Metalúrgicos do ABC armam festa para vitória de Lula

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC permaneceu fechado durante o domingo de eleição, mas os sindicalistas já preparavam uma grande festa no Diretório Regional do PT em São Bernardo do campo, cidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, certos de sua reeleição já no primeiro turno. Apesar de não estarem todos concentrados em um só local, membros do sindicato percorreram os locais de votação para sentir o clima entre os eleitores e jogar conversa fora. Sobre política, claro.O diretor executivo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Paulo Dias Neves, passou a manhã visitando alguns colégios da cidade e, após o almoço, foi à sua seção, no bairro Nossa Senhora de Fátima, para votar. No caminho, guiando seu Ford Fiesta com adesivo do nome de seus candidatos - Lula e Aloisio Mercadante - o sindicalista foi cumprimentado e apoiado pelos amigos e simpatizantes do PT. Depois de votar, nada de ir para casa. Neves ainda parou nas ruas próximas ao local de votação para conversar com os eleitores."Os metalúrgicos sabem que o governo Lula foi o melhor que já tivemos, voltado para o social", fala Neves. Para ele, a categoria está a favor da reeleição porque sabe que, durante seu mandato, houve uma "grande melhora na vida do trabalhador". Além disso, o sindicalista defende a importância de Lula para o sindicato. "Mesmo os metalúrgicos militantes do PSB e do PC do B têm simpatia por Lula porque ele construiu esse sindicato mais vivo, mais autônomo", fala.Festa no diretórioApós o término da votação, os sindicalistas começaram a se concentrar na sede do Diretório Regional do PT. "No governo Lula, segundo pesquisa, 19% da população saiu da linha de miséria", afirma Mario Dantas, secretário de finanças do Sindicato dos Gráficos do ABC. "Ele também investiu na educação e trouxe a Universidade do Grande ABC". Dantas chegou à sede do Diretório do PT assim que a votação acabou e o clima ainda era de relaxamento e de confiança.Quando o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Francisco Duarte de Lima, o Alemão, chegou no local da festa petista, o clima já era tenso, de expectativa. O sindicalista apareceu faltando poucos minutos para a divulgação da primeira prévia do TSE, às 19 horas. No horário, os militantes já haviam deixado de lado o pastel a R$ 1 e a cerveja a R$1,50 e nem se lembravam mais do palco armado do lado de for a do edifício, na R. Tapajós, zona central de São Bernardo. Todos estavam no andar superior calados e esperando o resultado no telão ligado no site do TSE."A expectativa é grande porque Lula é o berço dessa experiência sindical para todos nós metalúrgicos", diz alemão. "Lula, mesmo não estando mais no movimento sindical, nunca deixou de nos receber, mesmo durante nossos movimentos em Brasília. Ele mostra essa aproximação e é de casa".A festa no diretório não tem hora para acabar. "Começa a esquentar à meia noite", brinca o presidente do diretório, José Albino de Melo. "Mas tem hora para acabar sim: só às 5h30 da manhã porque todo mundo tem de trabalhar amanhã".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.