Metrô diz que não houve alteração no projeto em Pinheiros

O presidente da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), Luiz Carlos David, além de diretores e técnicos da empresa, garantiram nesta sexta-feira, 26, aos deputados da Assembléia Legislativa de São Paulo que não houve alteração do projeto para a construção da futura estação Pinheiros e que o método usado nas obras sempre foi o New Austrian Tunneling Method (NATM), segundo informações de nota divulgada pelo assessoria de imprensa do Metrô. A explicação ocorreu durante reunião nesta sexta-feira entre o Metrô e os parlamentares integrantes da comissão oriunda da Assembléia para acompanhar as investigações sobre as causas do acidente ocorrido no último dia 12 de janeiro no canteiro de obras da Linha 4-Amarela do Metrô, na zona oeste de São Paulo. Na reunião, os representantes da companhia teriam explicado que "o Metrô fiscaliza o empreendimento, conforme estabelece o contrato, além de contar com uma fiscalização externa, como pede o Banco Mundial em projetos dessa magnitude". Quanto ao modelo de contrato preço fechado, o Turn Key, David afirmou que ele é vantajoso para o Estado por evitar novos aditivos de preço no decorrer da construção. No encontro, o presidente ainda se dispôs a fornecer toda a documentação requisitada e informações para esclarecer as razões do desmoronamento, no qual sete pessoas morreram e outras tantas ficaram desalojadas. Os deputados solicitaram uma série de documentos que devem ser encaminhados por meio da Secretaria dos Transportes Metropolitanos ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Rodrigo Garcia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.