Metrô também estuda aumento de tarifa

Enquanto os empresários de ônibus e a Secretaria Municipal de Transportes discutem o reajuste na tarifa, a Companhia do Metropolitano (Metrô) também analisa o aumento dos preços dos bilhetes.De acordo com o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, os técnicos da secretaria estudam, até o fim desta semana, o aumento da tarifa. O provável reajuste também incidirá sobre os ônibus intermunicipais e os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), controlados pela secretaria."No caso do metrô, tivemos aumento na energia elétrica, nos contratos de manutenção e segurança e nos salários dos funcionários. O reajuste tem razão de ser devido a esses fatores", disse Fernandes.Embora não tenha números, o secretário informou que o Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM), calculado em 22% de junho de 2001 a outubro deste ano, deve ser levado em consideração.Os empresários da região metropolitana alegam que se não receberem aumento - por conta do aumento do diesel, entre outros -, o 13º salário dos funcionários estará comprometido. Com data-base em maio, os metroviários ainda não definiram o porcentual de reajuste que será reinvindicado.Nesta quinta-feira haverá reunião no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para discutir pendências da última campanha salarial. Caso não haja acordo, segundo o presidente do sindicato dos metroviários, Flávio Godoi, será mantida a greve do dia 4."Vamos discutir redução de jornada, adicional de risco de vida, pagamento de processos trabalhistas, participação nos resultados da empresa e plano de carreira", disse Godoi.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2002 | 23h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.