Metrô terá mais 30 km e 25 estações em sete anos

O governo paulista prevê para os próximos sete anos a implantação de mais 30 quilômetros no Metrô de São Paulo, com a construção de 25 novas estações, com investimentos de US$ 3 bilhões. A informação foi dada esta semana pelo secretário dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, durante o seminário Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas, evento promovido no Rio pelo Ministério das Cidades em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvi mento Econômico e Social (BNDES). O encontro, que teve por objetivo elaborar um diagnóstico dos sistemas de transporte coletivo para orientar as ações da Políticade Mobilidade Urbana Sustentável em âmbito nacional, teve a participação de representantes de regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Belém, Curitiba , Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Recife. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, o secretário Jurandir Fernandes apresentou os projetos de expansão do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) até 2010. No Metrô, os investimentos de US$ 3 bilhões incluem a implantação das linhas 4 ? Amarela, prolongamento da Linha 2 ? Verde, a partir da estação Ana Rosa até o Sacomã, e a extensão da Linha 5 ? Lilás, do Largo 13 até a região da Vila Mariana). A Secretaria projeta que esses investimentos darão ao sistema metroviário capacidade para atender cerca de 2 milhões depassageiros/dia, que se somarão aos 2,6 milhões usuários/dia transportados atualmente. No caso da CPTM, Fernandes disse que o governo estadual planeja modernizar toda a malha ferroviária, a exemplo do que foifeito na Linha C (Osasco ? Jurubatuba) e num trecho da Linha E, entre Luz e Guaianases, onde circulam trens com ar condicionado e música ambiente. "A modernização da CPTM, cujo custo está estimado em US$ 1,3 bilhão, compreende a aquisição e recuperação de trens, reforma e construção de estações, ampliação do sistema de energia, requalificação dos sistemas de telecomunicação e sinalização, intervenções em pátios e oficinas nos trechos principais", informa a Secretaria de Transportes Metropolitanos. A meta é implantar essas melhorias até 2010, proporcionando condições de infra-estrutura para a operação de trens com intervalos regulares de até 3 minutos e permitindo um acréscimo na demanda de mais 2 milhões de passageiros por dia. Hoje, o sistema ferroviário atende cerca a de 1,2 milhão de usuários diariamente. Os planos para a CPTM incluem a criação do Expresso Aeroporto, resultado de uma parceria entre o governo do Estado e aInfraero. A construção e operação da linha serão de responsabilidade da iniciativa privada por contrato de concessão. O trajeto terá 31 quilômetros de extensão, em uma nova via exclusiva, ligando ponto-a-ponto a Estação Barra Funda ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Na mesma via, está prevista a criação Expresso de Guarulhos. Os dois serviços (Expresso Aeroporto e Express o Guarulhos) exigirão recursos da ordem de US$ 572 milhões."Com a implantação desses projetos, o sistema metro-ferroviário da região metropolitana de São Paulo terá, em 2010, uma redecom mais de 400 quilômetros, transportando cerca de 7,6 milhões de pessoas por dia. Com isto, a participação do transportesobre trilhos subirá dos atuais 25% para 42% das viagens em transporte coletivo realizadas na região", garante JurandirFernandes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.