Metrô vai desapropriar 136 imóveis na zona sul

Medida visa ao prolongamento da Linha 5-Lilás; boa parte das áreas está localizada em pontos nobres de Moema e Vila Mariana

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

07 de abril de 2009 | 00h00

Os bairros de Moema e Vila Mariana, na zona sul, terão 136 imóveis desapropriados para que seja feito o prolongamento da Linha 5-Lilás do Metrô, boa parte localizada em áreas nobres. Decreto que tornou os imóveis particulares de utilidade pública já foi publicado no dia 3, no Diário Oficial. Os moradores deverão receber cartas da Companhia do Metrô informando quais as providências a serem tomadas. A empresa tocará os processos em caráter de urgência, já que o objetivo é iniciar as obras até o final do ano.As desapropriações ficam na região entre o Poço Iraúna, na alameda de mesmo nome, em Moema, e o Poço Dionísio da Costa, na via homônima, na Vila Mariana. Esse novo trecho da Linha 5 terá as Estações Ibirapuera, Moema, Servidor e Vila Clementino, além de fazer o cruzamento com a Linha 1-Azul, na Estação Santa Cruz, e com a Linha 3-Verde, na Estação Chácara Klabin. São 29 áreas num total de 67,6 mil metros quadrados de terrenos, que estão localizados ao longo de vias importantes como Ibirapuera, Indianópolis, Borges Lagoa, Pedro de Toledo, Professor Ascendino Reis, Otonis, Cotovia, Eucaliptos, Jamaris, Desembargador Aragão, Carolina Buarque, Prefeito Fábio Prado, Domingos de Moraes e Desembargador Aragão, entre outras.Dentre as áreas em processo de desapropriação que chegarão à Justiça nos próximos dias estão cerca de 40% de imóveis residenciais. O restante é de uso comercial e empresarial. Todas fazem parte da segunda etapa do prolongamento da Linha 5 - com seis quilômetros de extensão -, que deverá ser concluída em 2011. A primeira etapa terá as Estações Campo Belo e Adolfo Pinheiro, com 5,6 quilômetros. Já estão em operação desde 2002 cerca de 8,4 quilômetros de linha, entre o Capão Redondo e o Largo Treze, em Santo Amaro.O Metrô informou, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que a partir de hoje estará no site da companhia a localização das áreas que darão lugar à nova linha, com pequeno mapa desses pontos.BRONCAA presidente da Associação dos Amigos e Moradores de Moema, Lygia Horta, disse que já recebeu inúmeros telefonemas de moradores do bairro à procura de informações sobre as desapropriações, mas que ela mesmo não sabe de nada. "Procuramos o Metrô para obter informações, mas é um jogo de empurra. A gente telefona lá, e um passa a ligação para o outro, mas ninguém responde nada de concreto", afirmou Lygia.Ela disse ainda que chegou a procurar a Subprefeitura da Vila Mariana para obter informações, mas que nem mesmo os engenheiros do órgão que sabem sobre obras e empreendimentos em Moema conseguem dar notícias. "Hoje (ontem) a secretária do subprefeito me ligou e disse que a Prefeitura não tem nenhuma informação a respeito, e sugeriu que a gente procurasse o Metrô. Mas já procuramos e nada aconteceu. Por que tanto segredo?"Empresário que trabalha na Avenida Sabiá, próxima da Avenida Ibirapuera, e que preferiu não se identificar, disse que teme "o pior", e que ainda passará por "uma semana de terror" até que tenha detalhes de todo o processo e localização das desapropriações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.