Metroviário diz esperar um "gesto de boa vontade"

O presidente do Sindicato dos Metroviários, Onofre Gonçalves de Jesus, afirmou nesta manhã que espera um gesto de boa vontade da Companhia do Metrô e do governo do Estado. Segundo ele, houver uma nova proposta da empresa, o sindicato tem condições de fazer os trens voltarem a circular antes do final do dia. "Precisa de um esforço da empresa e do governo do Estado que atenda à categoria. Negociação é isso: cada um cede um pouco e nós podemos compôr o final desta greve", disse o sindicalista em entrevista a emissoras de rádio. O sindicalista procurou responsabilizar a Companhia do Metrô pelo fato de os trens não estarem circulando. A Justiça do Trabalho havia determinado que 70% dos trens fossem mantidos em operação. Onofre disse na entrevista que os metroviários aceitaram essa determinação, mas ela não foi aceita pela direção da empresa .O Metrô decidiu não aceitar os 70% argumentando que não haveria segurança, nem para o sistema nem para os passageiros, se houvesse uma operação apenas parcial. A greve dos metroviários de São Paulo, iniciada na madrugada de hoje, está prejudicando o trânsito em toda cidade. A Companhia de Engenharia de Trágefo (CET) registrou 129 km de congestionamento já às 9h, ante uma média de 65 km nesse horário. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) liberou o rodízio de veículos, a zona azul e a faixa solidária, onde os motoristas usam faixas no sentido contrário, exclusiva para veículos com dois ou mais ocupantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.