Metroviários confirmam paralisação na terça-feira

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo confirmou que a categoria irá paralisar os serviços do Metrô durante toda a terça-feira, 15. O sindicato alega que a companhia não cumpriu os prazos legais na licitação da Parceria Público Privada (PPP) que vai operar a linha 4, em concessão por 30 anos.Em razão da paralisação, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) decidiu liberar os motoristas da Capital do rodízio de veículos. Carros com placas de final 3 e 4 não poderiam circular no mini-anel viário da cidade das 7h às 10h e das 17h às 20h.A greve foi decidida em assembléia nesta segunda-feira, 14. De acordo com o presidente da entidade, Flávio Godoy, a Companhia publicou no último dia 8 um edital de convocação para as empresas interessadas na negociação da PPP. A notificação de última hora contraria as regras de licitação pública e o direito legal dos metroviários que questionam a privatização na Justiça. O presidente do sindicato afirmou que a greve é o último recurso que os funcionários da Companhia tem para mobilizar a sociedade contra o negócio. Ele explicou que a direção do Metrô não escutou as inúmeras reivindicações e até propagandas feitas para população.Para a categoria, a PPP é vista como início da privatização do setor e do sucateamento do sistema. Os metroviários chegaram a pedir à Justiça que suspendesse a licitação. A ação foi derrubada pelo Metrô, que abriu em 9 de agosto os envelopes com as propostas, mas a Justiça ainda analisa o mérito do recurso. ConsórcioPela PPP, o consórcio MetroQuatro terá de comprar 29 trens - 14 na primeira fase, até 2008, e 15 na segunda etapa, a partir de 2012 -, e será responsável pelos sistemas de controle, operação da linha e manutenção. A obra civil e construção da infra-estrutura são feitas pelo governo. "É como nos corredores de ônibus. A Prefeitura se encarrega da estrutura, tarifa e obras, e a iniciativa privada opera o sistema", comparou o presidente do Metrô, Luiz Carlos David. O grupo é formado pela Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR), que detém 68% do consórcio vencedor; Montgomery Participações, que inclui o banco português Banif, com 30%; a operadora do metrô parisiense RATP, com 1%, e a argentina Benito Roggio, concessionária do metrô de Buenos Aires, com 1%. Segundo o vice-presidente da CCR, Marcio Batista, foi exigência do Metrô a presença de empresas do setor, para agregar experiência ao funcionamento da Linha. Na comparação com as rodovias, Batista disse que provavelmente o passageiro vai levar mais tempo para notar diferença nos serviços. "O nível de exigência do Metrô é extremamente elevado. Mas o padrão dos trens dessa linha é bastante acima dos parâmetros atuais, terão mais conforto e segurança", explicou o executivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.