Metroviários decidem sobre greve esta noite

Os metroviários de São Paulo decidirão hoje à noite, durante assembléia na sede do sindicato da categoria, se vão paralisar as atividades por 24 horas amanhã. De acordo com o presidente da entidade, Flávio Godoi, haverá uma nova rodada de negociação com a companhia ainda esta manhã. "Ontem, nós estivemos reunidos, mas nossas exigências não foram atendidas. Esperamos que a gente possa ter um resultado mais positivo hoje. Caso contrário, os 7,3 mil funcionários do Metrô de São Paulo vão cruzar os braços amanhã", disse Godoi. A categoria exige a abertura de negociações para o recebimento da Participação nos Resultados da empresa, que é pago desde 1998. No ano passado, os funcionários receberam R$ 1.640 do benefício depois de terem entrado com ação judicial no Tribunal Regional do Trabalho (TRT)."Nós não estamos reivindicando o lucro, pois sabemos que a companhia não atingiu um saldo positivo este ano, mas queremos a nossa parte, que é fruto do trabalho dos metroviários", salientou o presidente do sindicato. Em junho deste ano, os metroviários já ficaram em greve durante dois dias. A conseqüência do acerto entre o sindicato e a empresa, no entanto, foi o aumento da tarifa para os usuários do transporte. Os metroviários receberam um reajuste salarial de 7%, além de 50% para os funcionários que trabalham à noite e horas-extras. Eles também conseguiram obter gratificação por tempo de serviço para os funcionários contratados até 30 de abril. O metrô de São Paulo é utilizado por aproximadamente 2,5 milhões de pessoas diariamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.