Metroviários querem suspensão das obras da Linha 4

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo quer a suspensão das obras da Linha 4-Amarela do Metrô e a realização de uma auditoria independente para avaliar a segurança da obra. A auditoria seria feita por um conjunto de entidades e institutos da sociedade civil, com acompanhamento do Ministério Público. "Queremos ter certeza de que o cidadão não corra o risco de, de uma hora para outra, ser encontrado em um buraco causado por um desmoronamento ou ter de sair correndo de sua residência", disse o diretor do sindicato Manoel Xavier Lemos Filho. Ele ressaltou não ser objetivo do sindicato a paralisação permanente das obras.Terminada a auditoria, o sindicato quer que as obras sejam assumidas pelos técnicos e engenheiros do Metrô. Sem culpar os engenheiros das empreiteiras responsáveis pela obra, Xavier disse que os profissionais do Metrô têm longa experiência e são "reconhecidos internacionalmente pela capacidade técnica"."Eles não trabalham com a lógica da economia e da rapidez", afirmou o sindicalista. "Os técnicos atuam com a lógica de buscar a melhor solução para o problema, que nem sempre é a mais barata. O foco deles é a segurança e a durabilidade." Com a criação do Consórcio Via Amarela, o Metrô não tem nenhuma participação na fiscalização e gerenciamento da obra.O sindicato também vai apresentar denúncia formal à Delegacia Regional do Trabalho sobre as condições de trabalho nas obras. Segundo Xavier, desde 2005 o sindicato denuncia problemas de segurança nos canteiros. As provas disso seriam os acidentes ocorridos desde o início dos trabalhos. "Queremos garantir aos trabalhadores o mínimo de segurança e integridade."Por fim, Xavier quer marcar uma reunião com o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), para pedir o fim do consórcio e a entrega da responsabilidade pelas obras e pela operação da Linha 4 para a companhia estadual. "Queremos cobrar o fim das PPPs (Parcerias Público-Privadas), porque ela nem começou em São Paulo e já traz prejuízos para a população." Apesar de saber que as PPPs são uma das bandeiras do PSDB, o diretor do sindicato disse acreditar que o governador tem todas as "condições de reverter o processo".

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2007 | 08h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.