Mexilhões invadem rede de água de Porto Alegre

Técnicos da prefeitura de Porto Alegre e mergulhadores passarão a manhã de domingo retirando os mexilhões dourados que invadiram e ameaçam entupir parte da rede de abastecimento de água da cidade. Os serviços de tratamento e bombeamento de água na Estação São João ficarão parados por seis horas e 419 mil pessoas, um terço da população da cidade, ficarão sem água. O molusco é originário da China e teria chegado a Porto Alegre em águas de lastros de navios, de onde invadiu as tubulações subterrâneas. Como se multiplica rapidamente e adere às paredes, o animal reduz o diâmetro dos canos e pode até impedir o fluxo da água. A cada seis meses a presença do mexilhão é monitorada por mergulhadores. Além de ações de limpeza como a deste domingo, a adição de sulfato de cobre e o tratamento com sulfato de alumínio e pré-cloração reduzem a presença do molusco nos canos. Estudos já feitos em Porto Alegre indicam que o mexilhão prefere águas limpas e oxigenadas e por isso se adapta melhor às redes de captação de água. O molusco, identificado pela primeira vez na América do Sul em 1991, em Buenos Aires, não tem inimigos naturais na região e, por isso, pode se proliferar com facilidade.

Agencia Estado,

14 Junho 2003 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.