MG denuncia acusados de falsificar carteiras de motorista

O Ministério Público de Minas Gerais apresentou denúncia criminal contra 63 pessoas, acusadas de negociar e obter carteiras nacionais de habilitação (CNH) falsificadas. Segundo o MPE, entre os denunciados há servidores da Secretaria de Segurança Pública, lotados no Departamento de Trânsito (Detran) do Estado, delegados, detetives, membros da banca examinadora, vereadores, empresários, proprietários de auto-escolas e despachantes. Eles são acusados de corrupção, falsidade ideológica e formação de quadrilha.A investigação do esquema teve início em 1997, com base no relatório de uma CPI da Assembléia Legislativa de Minas. A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público descobriu que em duas auto-escolas - uma de Belo Horizonte e outra de Santa Luzia, na região metropolitana - os candidatos pagavam propinas para facilitar a aprovação em todos os exames. A denúncia dos promotores foi encaminhada à Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.