MG tem 71 cidades em emergência por chuvas; parque em BH é fechado

São Sebastião é o último município a decretar situação; Montes Claros e Seritinga sofreram danos esta semana

Solange Spigliatti e Eduardo Kattah, Estadão.com.br

14 de janeiro de 2011 | 09h38

BELO HORIZONTE e SÃO PAULO - As chuvas em Minas Gerais continuam prejudicando os moradores do Estado. Mais uma cidade mineira decretou em emergência, elevando para 71 o número de municípios nesta situação deste outubro do ano passado, segundo boletim da Defesa Civil divulgado nesta sexta-feira, 14. Em Belo Horizonte, a prefeitura decidiu fechar o Parque Municipal por tempo indeterminado, após a morte de uma moradora ao ser atingida por uma árvore.

 

Pelo menos 124 cidades mineiras foram afetadas pelas chuvas. A última a decretar situação de emergência no fim da tarde de ontem foi São Sebastião da Bela Vista, no sul do Estado. Ao todo, 1.242.545 foram afetadas de alguma maneira pelos temporais, que deixaram 16.975 desalojados e 2.345 desabrigados. Dezesseis pessoas morreram.

 

As chuvas nesta semana provocaram estragos em algumas regiões. Em Seritinga, o volume pluviométrico acentuado provocou o transbordamento dos rios Aiuruoca e Franceses, deixando várias ruas inundadas, além de 172 pessoas desalojadas e outras 126 afetadas. Segundo da Defesa Civil, 26 residências foram danificadas.

 

Em Montes Claros, as chuvas acima da média causou alguns danos materiais, danificando residências e problemas com pavimentação urbana. Também foi informado que aproximadamente 120 pessoas estão desalojadas.

 

Árvores. Por meio de nota, a prefeitura de Belo Horizonte destacou que a interdição do Parque Municipal leva em conta o fato de a capital mineira enfrentar um período com alto índice de chuvas, o que provoca o encharcamento das árvores e do solo - que se torna mais maleável, "prejudicando a aderência da terra com as raízes".

 

A medida foi comunicada no fim da tarde de ontem, um dia depois da queda de uma árvore, um jatobá com cerca de 20 anos e aproximadamente 30 metros, matar a aposentada Maria de Fátima Ferreira, de 57 anos, atingida enquanto caminhava no local. A árvore estava com a parte inferior do tronco infestada por cupins.

 

Para justificar o fechamento do parque - principal espaço de lazer da região central de Belo Horizonte -, a prefeitura observou também que o trabalho de vistoria das 3.700 árvores ainda está em andamento. Cerca de mil árvores já foram vistoriadas até o momento, e técnicos detectaram a presença de cupins em 330 delas. Cerca de 16 mil pessoas frequentam o Parque Municipal Américo Renné Gianetti diariamente. Nos fins de semana, o número de visitantes chega a 60 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.