Microorganismo raro contamina 44 hospitais no Rio

Centenas de pacientes são vítimas de uma falha grave em procedimentos cirúrgicos, por falta de limpeza dos equipamentos em hospitais do Rio de Janeiro, segundo informações do jornal Bom Dia Brasil, da TV Globo. A infecção que tem atingido diversos pacientes é provocada pela Mycobacterium abscessus, microorganismo que vive no ambiente e só causa danos quando entra no corpo humano. A infecção provoca lesões avermelhadas na pele, que se transformam em feridas. Nos pacientes com baixa imunidade, pode comprometer órgãos e levar à morte. O superintendente de vigilância da saúde do Rio, Victor Berbara, diz que a contaminação ocorreu em 44 hospitais públicos e privados do Estado. Uma equipe do Ministério da Saúde está no Rio há um mês, investigando os casos e avaliando as medidas adotadas pelo governo estadual. Segundo o ministério, nos outros estados a doença já foi controlada. Autoridades de saúde do Rio afirmam que a doença, que já foi chamada de surto e até de epidemia, vinda de uma bactéria rara, demorou a ser diagnosticada. No Estado do Rio, todas as notificações da doença ocorrem desde o fim de 2006. No total, já são 401 casos. O Pará tem registros desde 2003, são mais de 300. Ao todo, 91 deles foram confirmados. Em Goiás, são mais de 200 notificações e 33 delas confirmadas. Tratamento O tratamento, segundo os médicos, é difícil e demorado. O paciente tem que tomar uma combinação de três antibióticos por seis meses. Os remédios são fornecidos pelo Ministério da Saúde. O custo do tratamento é, em média, de R$ 5 mil por paciente.

Agencia Estado,

13 Abril 2007 | 09h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.