Milena, a jovem carente que se tornou violoncelista, estudará na Europa

Na primeira vez que procurou uma escola de música, Milena Salvatti, então com 17 anos, queria saber que instrumento era aquele, cujo som distinguia entre tantos nas aulas de balé. No Projeto Guri - que busca a inclusão por meio de aulas gratuitas de música -, descobriu o grave som do violoncelo. Começou a estudar, fez faculdade, não parou mais. Aos 25, a violoncelista profissional Milena, agora parte da Orquestra de São José dos Campos, voltou a procurar o Guri - para contar que foi escolhida, pela Orquestra Ópera Nova de Zurique (Suíça), como bolsista de mestrado na Europa.A trajetória de Milena - de jovem sem condições de pagar escola de música a profissional - inspirou o Guri, que atende 40 mil crianças e adolescentes por ano em São Paulo, a criar um fundo de bolsas a "ex-guris" convidados a estudar fora do País. "É uma forma de mostrar qual pode ser o resultado de um projeto que começa com a simples apresentação da música a adolescentes e crianças", diz a diretora executiva do projeto, Alessandra Costa. "O fundo deve estar pronto em dois meses e a meta, a princípio, é ajudar dois ou três ex-guris por ano." Milena descobriu tardiamente o violoncelo. "Mas alguma coisa me dizia que era meu destino." As primeiras aulas foram em uma sala coletiva do Guri. Em poucas semanas, decidiu prestar vestibular para Música na USP. Não passou, mas conheceu seu primeiro mestre, Robert Suetholz. De lá para cá, estudou na Escola Municipal de Música e entrou no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Mas a grande virada aconteceu no ano passado, quando foi convidada a integrar a Orquestra Ópera de Zurique, numa turnê por Brasil e Argentina. Agradou tanto que foi chamada para entrevista na Universidade de Basel, na Suíça. "Vou fazer curso intensivo de alemão, depois a ideia é ir para a Europa, onde vou ter aulas gratuitas com o Marek (Jerie, do trio de cordas Guarneri de Praga). Mas preciso arranjar meios para viver lá." Alessandra diz que o Guri fará tudo para ajudar. "Mas também buscamos apoio, de qualquer empresa que quiser ajudar alguém que realmente merece."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.