Milícia de policiais apavorava moradores de favela no Rio

Os profissionais do jornal 'O Dia' agora estão em lugares seguros recebendo tratamentos médicos

MARCELO AULER E PEDRO DANTAS, agência estado

02 de junho de 2008 | 21h55

A milícia formada por policiais militares e civis que dominava, desde julho de 2007, a Favela do Batan, no bairro de Realengo, na zona oeste da cidade, saiu de cena ontem. No lugar da vigilância ostensiva que ela fazia apavorando os 50 mil moradores, surgiram policiais militares fardados. Uma camionete com três soldados permaneceu na entrada da comunidade e um carro policiava as ruas. Também circularam pela região uma caminhoneta Blazer com oficial e soldados do serviço secreto do 14º Batalhão. Mas a comunidade permanecia assustada e evitava comentários. Todos arranjavam desculpas para demonstrar desconhecimento sobre as bárbaras torturas que uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal O Dia, além de um morador que tomava cerveja com parte da equipe, sofreram no dia 14 de maio, quando os jornalistas foram descobertos pela milícia morando na favela. Os profissionais do jornal O Dia estão em lugares seguros, fora da cidade. Receberam tratamento médico e acompanhamento psicológico. A família do motorista, residente na favela, foi retirada da comunidade pelo jornal e hoje reside em uma nova casa, em local desconhecido. Mas não há informação sobre o morador para o qual, segundo o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, não houve pedido de proteção. Suspeita-se que ele possa estar morto. No Largo do Chuveirão, onde o fotógrafo, o motorista e o morador foram presos pelos milicianos durante um churrasco na noite do dia 14, continua montado o palco usado para as festas no bairro. Nem quem mora ali fala sobre o que aconteceu. A casa de número 291 da rua São Dagoberto, onde sábado à noite policiais militares recolheram armas, botijões de gás e material de clonagem dos sinais de TV à cabo, está vazia. Ali, segundo a polícia, era uma das sedes dos milicianos. Mas a casa mais usada por eles fica na rua Pedro Nava: tem muros altos, piscina e ar-condicionados. Pertenceu a um comerciante já falecido. Foi ocupada por traficantes e tomada pela milícia.  Beltrame pediu prazo à opinião pública para uma investigação com qualidade. "A polícia tem a obrigação de trazer um resultado objetivo sobre essa barbaridade que aconteceu com estes repórteres e para garantir o sucesso da investigação. Em breve vamos apresentar resultados. Falar sobre isto seria contraproducente, já que estamos em processo adiantado de elucidar o caso". Ontem, na Cinelândia, no centro da cidade, o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) realizaram ato lembrando o sexto aniversário da morte do jornalista Tim Lopes e cobrando providêncîas para o caso da violência contra repórteres de O Dia. Na carta aos jornalistas, as duas entidades "protestam contra a decisão da empresa de expor seus trabalhadores a tamanho risco. É inaceitável que a tragédia de Tim Lopes, da TV Globo, não tenha conscientizado as empresas de que nenhuma denúncia ou prêmio de jornalismo vale uma vida". Em carta dirigida ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao ministro da Justiça, Tarso Genro e ao governador do Rio, Sérgio Cabral, a ONG Repórteres Sem Fronteiras, com sede em Paris, cobrou enérgica punição aos responsáveis a partir da apuração do caso por "uma comissão de investigação federal, em conexão com as autoridades estaduais".

Tudo o que sabemos sobre:
Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.