Milícia planejava matar deputado e chefe de polícia, diz MP

Um vereador foi preso nesta quarta-feira, acusado de liderar o grupo criminoso que agia na zona oeste da cidade

Priscila Trindade, Central de Notícias

13 Abril 2011 | 10h41

SÃO PAULO - O vereador do Município do Rio de Janeiro, Luiz André Ferreira da Silva, foi preso na manhã desta quarta-feira, 13, durante operação com o objetivo de desarticular uma milícia que atua na zona oeste da cidade. O vereador foi preso por volta de 6 horas, na casa de um conhecido dele, onde foram apreendidos pelo menos R$ 61 mil.

 

Luiz e outros milicianos são suspeitos de planejar a morte do deputado estadual Marcelo Freixo, presidente da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa, uma vereadora não identificada e a ex-Delegada Titular da 28ª DP (Campinho) e atual chefe da Polícia Civil, Delegada Martha Rocha.

 

Além do parlamentar, estão sendo cumpridos mandados de prisão preventiva contra pessoas acusadas de participar do mesmo bando paramilitar. Todos foram denunciados pelo Ministério Público (MP) do Rio e responderão pelo crime de quadrilha armada.

 

De acordo com a denúncia, a milícia é liderada pelo vereador. O grupo atua há pelo menos sete anos nas comunidades situadas nos bairros de Praça Seca, Campinho, Tanque e Quintino, em Jacarepaguá. A quadrilha é suspeita de cometer homicídios e de ocultação e destruição de cadáveres, torturas, estupros e invasões de domicílios, entre outros crimes.

  

Cerca de 80 pessoas participam da operação que tem o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco/IE), Subsecretaria de Inteligência, da Subprocuradoria-Geral de Justiça e do Gaeco, do MP, e da Corregedoria Geral Unificada.

 

Notícia atualizada às 12h

Mais conteúdo sobre:
vereadormilíciaRiooperação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.