Militante iraniana pede encontro com presidente

A militante iraniana Mina Ahadi, que coordenou a campanha em defesa de sua compatriota Sakineh Ashtiani, disse ontem, em São Paulo, ter achado "muito bom" a presidente Dilma Rousseff chamar de "barbárie" o ritual de apedrejamento em seu país. "Se pudesse, gostaria de encontrar a presidente na minha ida a Brasília", afirmou durante o 2º Fórum Democracia e Liberdade. Mina tem na agenda um encontro com a ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário.

Gabriel Manzano,

04 de maio de 2011 | 00h34

Num tom duro, indignado, ela disse que mudou seu discurso quando soube da morte de Osama Bin Laden: "Decidi lembrar que ele não é o único problema. Temos regimes islâmicos que usam a religião para controlar o povo. Quero fazer aqui uma acusação contra todos esses regimes. Acuso em nome de mulheres assassinadas porque não queriam usar um pano na cabeça."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.