Militante que perdeu o dedo por causa de Lula se encontra com presidente

Quatro dias após perder parte do dedo anelar da mão esquerda numa briga após discussão com uma eleitora do presidenciável tucano Geraldo Alckmin, no Bar Jobi, no Leblon (zona sul), a publicitária Danielle Corrêa Tristão encontrou-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem recebeu um abraço, durante um jantar oferecido no Canecão. O encontro ocorreu na madrugada de quarta-feira, após uma reunião entre artistas e Lula, candidato à reeleição pelo PT, na casa de shows, em Botafogo, zona sul da capital fluminense. Danielle contou que o presidente considerou a agressão - o pedaço do dedo foi, de acordo com ela, arrancado a dentadas - um ato de brutalidade. Foi a segunda vez que ela manteve contato com Lula. Em 1989, durante a campanha presidencial, Danielle abraçou o então candidato em um comício realizado em Minas Gerais. Ela deve ter o dedo operado no fim de semana. Danielle conta que entrou no bar, com o marido Juarez, vestindo uma camisa de apoio a Lula e foi hostilizada por freqüentadores. Ela afirmou que, depois de pagar a conta e ter ido ao banheiro, foi surpreendida pela jornalista Ana Cristina Luzardo de Castro, de 39 anos, que a agrediu a mordidas. A jornalista prestou queixa na 14ª Delegacia Policial (Leblon) antes de Danielle. Ana Cristina afirmou ter sido ferida com unhadas pela publicitária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.