Militar, bêbado, levava três granadas no carro

Três homens (entre eles um militar reformado da Marinha) foram presos com três granadas em uma blitz, perto do Palácio Guanabara, sede do governo, em Laranjeiras, zona sul do Rio, na noite deste domingo.O militar Wilson Frazão Braga, acompanhado de Leonardo Silva de Castro e Edson Anastácio Ribeiro Filho estavam no carro do primeiro, uma Parati, quando foram detidos por policiais da 1ª Companhia Independente de Polícia Militar.Agentes da 10ª DP (Botafogo), onde o caso foi registrado, afirmaram que Braga estava alcoolizado. O capitão foi transferido sob escolta para o 1º Distrito Naval, no centro da cidade, e afirmou que apenas deu carona a desconhecidos, sem saber que portavam explosivos.As granadas foram levadas para o Esquadrão Antibombas da Polícia Civil.Em São Conrado, zona sul, cinco pessoas foram presas a bordo de um Golf, na madrugada desta segunda-feira, quando voltavam de um baile na Favela da Rocinha.O carro era roubado, tinha placa clonada, e os ocupantes são acusados de participar de uma quadrilha especializada em assalto a apartamentos de luxo da zona sul do Rio.Na 14ª DP (Leblon), a polícia encontrou um revólver escondido no motor do carro.O porteiro de um dos prédios assaltados reconheceu dois dos cinco suspeitos, os irmãos Marcelo Marques da Cruz, de 31 anos, e Flávio Marques da Cruz, de 29, que negaram participação nos crimes.Foram detidos também Robson Rodrigues de Andrade, de 21, Jonathan Baluardo, de 20, e Eliete Santana de Souza, de 24. Todos são moradores de Santa Teresa. A polícia investiga se eles têm ligação com a quadrilha de Mauricinho Botafogo, preso em fevereiro, que atuava de modo semelhante.Em Copacabana, zona sul, o turista dinamarquês Jens Hoffmann Bedersen, de 40 anos, foi esfaqueado, também na madrugada desta segunda. Na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), ele se mostrou mentalmente confuso e entrou em contradições.Primeiro, disse ter levado um golpe de uma prostituta. Depois, afirmou que meditava quando foi atacado por dois assaltantes armados de facas, que levaram sua câmera de vídeo. Ele não quis submeter-se a exames de corpo de delito nem Raio X, alegando "motivos religiosos".A estudante Fernanda Carlos de Figueiredo, de 9 anos, assassinada na noite deste domingo com um tiro nas costas, em Jacarepaguá, zona oeste, foi enterrada na tarde desta segunda-feira.Ela foi baleada por um motociclista e chegou morta ao Hospital Cardoso Fontes. No fim da tarde desta segunda, a polícia prendeu dois suspeitos, no Morro da Chácara, próximo ao local do crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.