Militar não comparece ao depoimento sobre ação do Exército

Os procuradores da República, Fábio Aragão e Vinicius Panetto, do Ministério Público Federal, esperaram em vão na manhã desta quinta-feira, 23, pelo general Domingos Curado, para que ele prestasse esclarecimentos sobre a ação do Exército nos morros do Rio, em busca das armas roubadas no dia 3 de março. A população denunciou espancamentos e invasões a residências.O militar, porém, conseguiu uma liminar no Superior Tribunal Militar (STM) para não comparecer, além de pedir a suspensão da investigação, no que não foi atendido.PrisãoO Ministério Público Militar pediu esta manhã a prisão preventiva dos dois ex-militares, o ex-cabo Joelson Basílio Silva e o ex-soldado Carlos Leandro de Souza, e do militar da ativa Humberto Freire, sargento lotado no estabelecimento central de transporte do Exército, pelo roubo de armas do quartel. Eles já estão presos temporariamente. O Exército ainda procura mais cinco suspeitos.Em 3 de março, criminosos usando uniformes camuflados e toucas ninja invadiram um quartel no Rio. Roubaram dez fuzis e uma pistola. No mesmo dia, o Exército deu início a uma operação de busca em diversos morros. As armas acabaram sendo encontradas no dia 14 de março, mas graças a um alerta dos próprios traficantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.