Militares de todo o País cercam o Vale

Homens vão procurar sete fuzis roubados; já são 530 soldados

Simone Menocchi, TAUBATÉ, O Estadao de S.Paulo

18 de março de 2009 | 00h00

Mais de 500 militares do Exército brasileiro cercam o Vale do Paraíba para procurar os sete fuzis roubados, há 10 dias, do Batalhão de Caçapava. Ontem, as buscas receberam o reforço de 170 homens de bases de diferentes partes do Brasil. Pela manhã, eles desembarcaram no Aeroporto de São José dos Campos em dois aviões Hércules. Dois blindados Urutu, usados para transportar tropas em situação de risco, vieram do Rio.Agora, 530 militares estão nas ruas de São José dos Campos, Caçapava e outras cidades do Vale do Paraíba. Desde o roubo dos fuzis, por cinco homens armados, na noite do dia 8, buscas são realizadas pelos militares, com uso de helicópteros e o auxílio das Polícias Militar e Civil. "A procura vai continuar intensamente, até que todo armamento seja encontrado", informou o responsável pela Comunicação do Batalhão de Infantaria Leve de Caçapava, o tenente-coronel José Mateus Ribeiro.No domingo passado, as baionetas dos fuzis foram encontradas no meio de uma rua em Guararema, pequena cidade da região metropolitana de São Paulo e próxima do Vale do Paraíba. Isso indica que as armas ainda podem estar nessa região. Já foi realizada a reconstituição do crime e divulgado o retrato falado de um acusado. O Exército, que pede a ajuda da população para esclarecer o crime, divulgou novo número para denúncias: 0800-771-2012. VISTORIAO governador José Serra (PSDB) disse ontem que pediu à Secretaria da Segurança Pública que seja feita uma vistoria em todos os locais, públicos ou privados, que guardam armamentos no Estado. A medida é uma reação aos casos de roubo de armas nos últimos dias. "Eu recomendei à Secretaria da Segurança que combine com o Exército uma vistoria em todos os lugares que têm depósito de armas em São Paulo, uma vistoria nas condições de segurança e, onde tiver problema, exigir correção", afirmou. Serra não disse quando a operação será feita.Ele negou que os roubos registrados tenham sido praticados pelo PCC ou outra facção criminosa. "Não tem indícios disso. É um pouco de ficção dizer que foi esse ou aquele grupo." COLABORARAM SILVIA AMORIM E DAMARIS GIULIANAFRASESJosé SerraGovernador (PSDB)"Eu recomendei à Secretaria da Segurança que combine com o Exército uma vistoria em todos os lugares que têm depósito de armas em São Paulo, uma vistoria nas condições de segurança e, onde tiver problema, exigir correção"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.