Minas está mais vulnerável à exploração sexual infantil, diz OIT

Relatório traz mapa feito em 60 rodovias no Brasil, com 1.819 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes

15 de agosto de 2007 | 11h20

O Estado de Minas Gerais é a unidade da Federação com o maior número de pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes: 290. Sergipe se destaca por ser o estado com apenas dois desses pontos, a menor incidência do País.Os dados constam do "Guia para Localização dos Pontos Vulneráveis à Exploração Sexual Infanto-Juvenil ao Longo das Rodovias Federais Brasileiras", lançado nesta quarta-feira, 15, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). O relatório traz o resultado de um mapeamento realizado pela PRF em 60 rodovias no Brasil, que identificou 1.819 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes. De acordo com o guia, o Amapá apresentou um resultado inesperado. "Não foram localizados pontos vulneráveis à exploração sexual infantil nas rodovias federais que cortam o Amapá". Sudeste é a região em que foram encontrados mais pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes: 476 trechos. O relatório destaca, no entanto, que os pontos podem ter mais de um estabelecimento, como postos de gasolina, hotéis, boates, restaurantes e estacionamentos para caminhões. O guia apresenta os pontos de vulnerabilidade de acordo com o estado, a rodovia e o trecho onde eles se encontram. No Km 727 da BR 163, em Mato Grosso do Sul, por exemplo, foram localizados um bar, um restaurante e uma boate, todos vulneráveis à exploração sexual infanto-juvenil. Além dos dados referentes à exploração sexual infanto-juvenil, o guia também traz os contatos das Centrais de Informações Operacionais e das Superintendências da Polícia Rodoviária Federal. (Com informações da Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
exploração sexualMinas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.