Minas já tem 65 municípios em situação de emergência

Subiu para 65 o número de municípios mineiros que decretaram situação de emergência em decorrência das chuvas que atingem o Estado desde 1º outubro do ano passado. No balanço da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) divulgado nesta terça-feira, 9, as cidades de Igaratinga, no centro-oeste, Pedra do Anta, na Zona da Mata, e Itacambira, no norte, comunicaram diversos danos provocados pelas chuvas dos últimos dias.Porém, a situação mais crítica continua sendo enfrentada por diversos municípios da região sul. Na manhã desta terça, o governador Aécio Neves (PSDB) visitou as cidades de Pouso Alegre e Santa Rita do Sapucaí, onde cerca desde 65% da área urbana ficou debaixo d´água após os temporais do último final de semana. No domingo, o rio Sapucaí atingiu 6,89 metros acima de seu nível normal. "As águas começaram a baixar, mas mais da metade da cidade continua inundada" disse o prefeito Ronaldo Carvalho (PSDB). "Acho que vai ter água na cidade por mais uma semana."De acordo com Carvalho, aproximadamente 250 pessoas estavam desabrigadas e foram levadas para uma escola municipal. Outras 150 ficaram desalojadas e precisaram se abrigar em casas de parentes ou amigos. Para transitar pelos bairros alagados, moradores usavam canoas e botes.A inundação obrigou cerca de 80% do comércio a fechar as portas. Algumas indústrias também foram atingidas. Santa Rita do Sapucaí é conhecida por abrigar o chamado "Vale da Eletrônica", que reúne aproximadamente 130 empresas de base tecnológica.Carvalho acompanhou a visita de Aécio e disse que a administração municipal necessita emergencialmente de pelo menos R$ 2 milhões para recuperar a cidade. "Ainda assim é um recurso insuficiente", salientou.O governador pediu uma ação imediata de integração da Cedec, do Departamento de Estradas e Rodagem (DER-MG), da Companhia de Saneamento do Estado (Copasa) e da Secretaria de Saúde para atender os municípios afetados pelas fortes chuvas.RodoviasAécio afirmou que cerca de R$ 10 milhões já foram disponibilizados pelo governo federal para as cidades mineiras. Ele, no entanto, enfatizou que vai solicitar um volume de recursos para serem aplicados principalmente nas BRs que cortam o Estado."O apoio do governo federal deverá centrar-se fundamentalmente nas rodovias federais em estado de absoluta calamidade em diversas regiões", disse o governador, que fez duras críticas à operação tapa-buracos do início do ano passado. "Hoje todos nós estamos percebendo com clareza o que significou aquele investimento: nada. Buracos que se transformaram em crateras nas rodovias federais."Nos últimos dias, o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) registrou vários "alertas vermelhos" em diversos trechos da malha federal que corta Minas. Os principais problemas foram registrados nas BRs 459, 365, 354, 262, 135, 153 e 265.Nas proximidades da cidade de Patrocínio, no Alto Paranaíba, o asfalto da BR-365 afundou quase um metro no quilômetro 393. O tráfego estava sendo feito em meia pista. Na mesma região, entre os quilômetros 544 e 632 da BR-262, as chuvas intensas abriram uma grande quantidade de buracos, colocando em risco a segurança dos usuários. Na BR-354, o Dnit registra três alertas vermelhos. Num trecho de 70 quilômetros (do 296 ao 366), a trafegabilidade é classificada como "precária" devido à "enorme quantidade de buracos na pista".Na região norte do Estado - mais afetada pelas chuvas no final de 2006 -, os principais problemas são verificados na BR 135. Na rodovia que liga Belo Horizonte a Montes Claros (um percurso de 417 quilômetros), crianças, adultos e até mulheres grávidas - moradores de pequenas e pobres cidades do norte mineiro -, passaram a tapar os buracos que tomaram conta da via e disputam trocados dos motoristas.A assessoria do Dnit em Minas informou que a situação das rodovias federais no Estado é "regular" e que o período chuvoso impede a atuação imediata do órgão.PontesAs chuvas provocaram estragos também na malha viária estadual. Nas áreas rurais, diversos acessos em estradas vicinais ficaram interrompidos. Conforme dados da Cedec, desde o início do período chuvoso 202 pontes foram destruídas e 254 ficaram danificadas. A previsão é que cerca de 200 quilômetros de estradas estaduais estejam intransitáveis."Estou determinando uma suplementação no orçamento do DER (Departamento de Estradas e Rodagem) para o enfrentamento das dificuldades nas pontes, enfim, nas interrupções na malha rodoviária estadual", disse o governador durante a visita ao sul de Minas.Mais de 197 mil pessoas no Estado já foram afetadas pelas chuvas, segundo a Defesa Civil. Até o início da noite de terça-feira, a Cedec contabilizava 20 mortos e 80 feridos. Outras 4.355 pessoas ficaram desabrigadas e 11.373 desalojadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.