Ministério cancela convênio fantasma

Contrato teve cancelamento publicado um dia após 'Estado' revelar que acordo jamais executado por ONG de fachada foi renovado

LEANDRO COLON / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2011 | 03h00

O Ministério do Esporte publicou ontem no Diário Oficial da União a rescisão do convênio fantasma de R$ 911 mil com o Instituto de Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (Idec) para o programa Segundo Tempo na cidade de Novo Gama, em Goiás. A decisão foi oficializada um dia depois de o Estado revelar que a pasta havia renovado o mesmo contrato, no dia 25 de agosto, até agosto de 2012. A organização não governamental é de fachada e, apesar de ter assinado o convênio no dia 31 de dezembro de 2009, jamais executou o projeto.

Os núcleos esportivos cadastrados nunca existiram e as crianças registradas na entidade esperam até hoje para serem beneficiadas pelo Segundo Tempo. Na periferia da cidade, havia um terreno baldio onde deveria ser um campo de futebol.

A renovação por mais um ano com o Idec havia sido assinada pelo secretário executivo do Ministério do Esporte, Waldemar Souza, e pelo secretário nacional de Esporte Educacional, Wadson Ribeiro, ambos do PC do B e de confiança do ministro Orlando Silva.

A existência do convênio fantasma, usado como propaganda eleitoral do PC do B nas eleições de 2010, foi revelado pelo Estado em fevereiro, em uma série de reportagens que mostrou as fraudes no Segundo Tempo e o favorecimento aos comunistas. Na época da publicação, Orlando Silva anunciou abertura de sindicância e prometeu "apurar e punir", mas acabou prorrogando o contrato.

Datas. Apesar de oficializar e publicar a rescisão somente depois de o Estado divulgar que o convênio havia sido renovado, o Ministério do Esporte mencionou a data de 13 de outubro no extrato de cancelamento divulgado ontem no Diário Oficial.

Dos R$ 911 mil previstos no convênio, R$ 787 mil sairiam dos cofres do governo federal e o restante deveria ser a contrapartida da própria ONG. A primeira parcela, de R$ 393 mil, foi liberada há mais de 17 meses.

O contrato seria encerrado em março, mas foi prorrogado até agosto. No dia 25 daquele mês, uma nova renovação, até agosto de 2012, foi publicada no Diário Oficial.

Personagem desse convênio, o secretário Wadson Ribeiro ainda autorizou a assinatura de contratos com o Instituto Cidade, de Juiz de Fora, cidade mineira que é reduto eleitoral do comunista. A entidade recebeu pelo menos R$ 9 milhões em cinco convênios dos cofres do Ministério do Esporte. Dois contratos, que somam R$ 4,3 milhões, referem-se ao Programa Segundo Tempo e foram assinados por Wadson Ribeiro. Em abril, ele esteve em Juiz de Fora para distribuir kits do projeto do Esporte.

O site do PC do B mencionou a visita afirmando que o secretário é "apontado" como candidato a prefeito na cidade em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.