Ministério da Agricultura queima leite em pó contaminado no RS

Destruição de parte do estoque apreendido pode não ter sido a última

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

22 Maio 2013 | 00h10

PORTO ALEGRE - Fiscais do Ministério da Agricultura queimaram 6,2 toneladas de leite em pó produzido com leite cru adulterado em Taquara, no nordeste do Rio Grande do Sul. A destruição de parte do estoque apreendido no dia 8 de maio ocorreu na segunda-feira (20) como mais um passo da Operação Leite Compen$sado, feita em conjunto com o Ministério

Público do Rio Grande do Sul, foi divulgada nesta terça-feira, 21, e pode não ter sido a última.

O órgão federal espera o resultado da análise de outros lotes para, se for o caso, também incinerá-los. Depois de alguns meses de investigação, a operação detectou três esquemas de fraude em diferentes regiões do Rio Grande do Sul. Todos

usavam o mesmo método, mas eram operados por redes independentes, sem conexões entre elas. Transportadores das regiões de Guaporé, no nordeste, Ibirubá, no noroeste, e Horizontina, no oeste do Estado, adicionavam água e uréia, produto que contém formol, substância considerada cancerígena, ao leite que compravam de produtores rurais e revendiam para a indústria, ganhando cerca de 10% a mais pelo aumento do volume da bebida.

A Justiça já aceitou denúncia do Ministério Público e abriu processo contra 13 acusados de adulteração de produto alimentício e formação de quadrilha, dos quais sete permanecem presos preventivamente. Antes de a operação ter se tornado pública, no dia 8 de maio, as indústrias cumpriram determinação do Ministério da Agricultura e retiraram do mercado os lotes de leite suspeito que já haviam distribuído. Ao mesmo tempo, a fiscalização submeteu amostras do leite

apreendido durante a operação a exames mais detalhados.

Um balanço parcial indica que foram apreendidos 318 mil litros de leite, entre os quais estavam 28 mil litros, recolhidos de entrepostos de resfriamento de Selbach e Crissiumal, com uréia acima dos padrões admissíveis e formol.

Mais conteúdo sobre:
Fraude do Leite

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.