Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Ministério da Defesa autoriza mais 650 homens para o Espírito Santo

Com 550 das Forças Armadas e 100 da Força Nacional, sobe para 1.850 o efetivo; segundo Raul Jungmann, são falsas as notícias sobre paralisação no Rio

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2017 | 14h34

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse ao Estado nesta quarta-feira, 8, que foi autorizada a ida de mais 550 homens das Forças Armadas para o Espírito Santo, atendendo ao pedido do governador em exercício, César Colnago (PSDB).

O ministro afirmou também que outros 100 homens da Força Nacional estão sendo enviados para lá, mas para o interior do Estado. Assim, o número de militares reforçando a segurança no Espírito Santo sobe para 1.850. Há cinco dias, o caos se instalou, após o início da motim dos policiais militares, que estão aquartelados e sem fazer o patrulhamento nas ruas desde então.

Para Jungmann, "o policial que, mesmo com justa reivindicação, permite que cidadãos inocentes sejam assassinados, quer saiba, quer não, se alia aos criminosos, que deveria combater".

Depois de classificar a greve como "um duplo desrespeito", o ministro Jungmann explicou. "Primeiro, desrespeito ao compromisso do policial de proteger vida e integridade das pessoas. Em segundo lugar, desrespeito ao cidadão contribuinte que, em última análise, paga os salários dos policiais", desabafou.

De acordo com o ministro, "por mais justa que seja a reivindicação, ela não pode nunca, nunca, possibilitar atentar contra a vida e a segurança que são a razão de ser das polícias e dos policiais".

Paralisação da Polícia Civil. A preocupação do governo aumentou, no entanto, com a decisão de parte da Polícia Civil de paralisar os trabalhos até a meia-noite desta quarta-feira, em protesto contra a morte de um colega de trabalho. Por causa da insegurança e da criminalidade, mais uma vez, as ruas de Vitória amanheceram vazias nesta quarta-feira, com o comércio fechado e a população assustada, sem sair de casa.

Segundo o ministro, apesar de, inicialmente, o decreto que autoriza a ida das tropas federais a permanecerem no Estado ter prazo de dez dias, esse período pode ser estendido. "Se for necessário, prorrogaremos, sem problemas", avisou.

Apesar das declarações alarmadas da população, as informações que chegaram ao governo federal apontam que já houve redução dos homicídios e de número de arrastões com a chegada dos militares às ruas. Os 650 homens autorizados nesta quarta-feira se juntarão aos 1 mil homens do Exército que já estão lá e os 200 da Força Nacional. 

Jungmann evitou falar de uma preocupação que existe no Palácio do Planalto com a possibilidade de o movimento dos PMs do Espírito Santo servir de estímulo aos policiais militares de outros Estados, provocando um efeito cascata. Segundo ele, o governo está "monitorando" a situação em todos as unidades federativas.

Rio de Janeiro. Em relação ao Rio de Janeiro, onde já existem advertências de PMs sinalizando que podem parar também a partir da próxima sexta-feira, 10, por causa do atraso nos pagamentos dos salários, o ministro Jungmann advertiu que "são falsas" essas notícias que estão sendo divulgadas pelas redes sociais.

"Isso é uma atitude criminosa", afirmou ele, acrescentando que conversou com o ministro da Justiça interino, José Levi do Amaral, sobre a possibilidade de se colocar a Polícia Federal e a própria polícia estadual, "no encalço desses criminosos que estão tentando disseminar estas notícias de greve no Rio para causar pânico à população". "Isso é inadmissível", emendou ele, lembrando que o ministro da Justiça já estava monitorando isso e está empenhado em descobrir quem são as pessoas que estão assustando a população.

Segundo Jungmann, não há previsão de envio de tropas federais ao Rio de Janeiro. Ele acredita que a situação esteja contornada, já que o governador do Estado lhe informou que está liberando o pagamento de salários atrasados para a área de segurança.

Na manhã desta quarta-feira, a própria Polícia Militar fluminense, em nota, informou que são falsas as informações divulgadas por meio de redes sociais que convocam a categoria para uma paralisação na sexta-feira, a partir das 6 horas.

A direção da PM apelou ainda para que a tropa reflita sobre medidas que possam causar danos irreparáveis à sociedade e procurem outra forma de reivindicar seus direitos, lembrando o prejuízo que uma paralisação traria à população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.