Ministério da Saúde começa a cadastrar vítimas do incêndio na boate Kiss

As vítimas da tragédia em Santa Maria receberão acompanhamento médico por pelo menos 5 anos

Elder Ogliari,

04 Março 2013 | 19h11

PORTO ALEGRE - O Ministério de Saúde começou a receber as inscrições para atendimento prolongado das pessoas afetadas pela tragédia de Santa Maria (RS) nesta segunda-feira. Os 20 feridos ainda internados em hospitais, todos os que já receberam assistência médica e foram liberados e todos os que tiveram algum contato com a tragédia, mesmo que não tenham apresentado qualquer sintoma, devem informar seus nomes e telefones de contato em página destinada ao cadastro no site do ministério ou pelo telefone 136, da ouvidoria do Sistema Único de Saúde (SUS).

O número de inscritos no primeiro dia não foi divulgado pelo Ministério da Saúde. Desde 27 de janeiro, quando houve o incêndio da boate Kiss que matou 240 pessoas, os serviços de saúde do Rio Grande do Sul atenderam 570 pessoas. Todas elas devem se cadastrar. O número final tende a ser bem superior porque vai incluir também quem não procurou atendimento, mas esteve na boate ou participou da operação de resgate.

Os inscritos receberão um telefonema do Ministério da Saúde com a data e horário da primeira consulta. Depois dela, eles serão acompanhados por pelo menos cinco anos, para tratamento, quando for o caso, ou observação da evolução de cada quadro. O atendimento será feito pelo Hospital Universitário de Santa Maria, com recursos do SUS, a partir do próximo sábado (9).

Mais conteúdo sobre:
Santa MariaKissincêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.