Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ministério da Saúde vai analisar plano para monitorar água radioativa na Bahia

Encontro de entidades tem a finalidade de discutir a contaminação e estabelecer regras para analisar poços usados pela população

André Borges, O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2015 | 23h00

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde vai enviar uma equipe de técnicos a Salvador na segunda-feira, 28, para participar de uma reunião sobre medidas para monitorar a região do Estado onde foi confirmada a contaminação de água com alto teor de urânio.

A informação foi confirmada pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema) da Bahia. Além do Ministério da Saúde, o encontro vai contar com a presença de representantes do Ibama que atuam no Estado. Foram chamadas ainda as diretorias do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), da Companhia de Engenharia Ambiental e Recursos Hídricos da Bahia (Cerb) e da Vigilância Sanitária do Estado. As prefeituras de Lagoa Real, Caetité, Livramento de Nossa Senhora enviarão seu secretários de Meio Ambiente.

A Agência Nacional de Águas (ANA) chegou a ser convidada pelo governo baiano para participar do encontro, mas a agência federal rejeitou o convite, sob a justificativa de que não tem técnicos disponíveis neste momento para enviar ao encontro. A ANA também negou um pedido feito pelo governo da Bahia, para que atuasse no monitoramento da água na região sudoeste do Estado. Segundo a agência federal, essa responsabilidade é do governo do Estado.

O encontro tem a finalidade de discutir a contaminação da água encontrada na região e estabelecer regras para execução de um programa de monitoramento permanente dos poços usados pela população da região.

No município de Caetité está a única mina de urânio da toda a América Latina. Por meio, o minério radioativo é um monopólio da União, por isso só pode ser explorado pela estatal federal Indústrias Nucleares do Brasil (INB), vinculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. O licenciamento ambiental do urânio também é realizado exclusivamente pelo Ibama, e não por órgãos estaduais.

De Caetité, sai o material que é enriquecido e transformado em combustível nuclear para alimentar as usinas de Angra 1 e 2, no Rio de Janeiro, que também pertencem a uma empresa federal, a Eletronuclear, do Grupo Eletrobrás.

Mais conteúdo sobre:
urânio radiação Ministério da Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.