Ministério das Cidades mapeará áreas de risco

O Ministério das Cidades vai fazer um mapeamento detalhado das áreas de risco ocupadas por habitações em todo o País. As informações serão usadas como base de medidas preventivas para evitar tragédias como as enchentes e os deslizamentos que mataram 33 pessoas em Minas Gerais durante a semana. Também servirão para definir prioridades nas ações de transferência dos moradores de encostas de morros, zonas ribeirinhas e alagadiças para áreas mais seguras.A informação foi dada pelo ministro Olívio Dutra, em Porto Alegre, neste sábado, durante cerimônia de anúncio do nome dos novos diretores da Trensurb. Além do mapeamento, Olívio disse que quer coordenar esforços conjuntos do governo federal com os governos estaduais, prefeituras e iniciativa privada para reduzir o déficit habitacional de 6 milhões de unidades que o País tem.Outra medida a ser implementada a curto prazo, em conjunto com o Ministério da Justiça, será a regularização de assentamentos urbanos em zonas menos vulneráveis aos fenômenos meteorológicos. "O problema não é São Pedro e nem a chuva, mas a ocupação inadequada de encostas e alagadiços", comentou o ministro. Como medida imediata para aliviar o problema de Minas Gerais, Olívio lembrou que o governo federal liberou R$ 15 milhões de ajuda aos flagelados na sexta-feira.O novo presidente da Trensurb, empresa que opera os trens metropolitanos que ligam Porto Alegre a São Leopoldo, será o técnico contábil Marco Maia. Ele é filiado ao PT e foi secretário da Administração de Recursos Humanos no governo estadual de Olívio Dutra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.