Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Ministério enviará ao Congresso pacote para reduzir assalto com uso de explosivo

Documento está sendo elaborado de forma conjunta com as secretarias de Segurança Pública do País e deve tocar em pontos como o aumento da punição para autores desse crime

Talita Fernandes, O Estado de S. Paulo

26 de fevereiro de 2015 | 18h19

BRASÍLIA - O Ministério da Justiça deve enviar na próxima semana ao Congresso Nacional um projeto de lei complementar com medidas que visam à redução de assaltos a caixas eletrônicos com o uso de explosivos. O documento está sendo elaborado de forma conjunta com as secretarias de Segurança Pública do País e deve tocar em pontos como o aumento da punição para autores desse crime. A previsão é de que um projeto de lei chegue à Câmara dos Deputados na próxima semana, mas o prazo depende de que os secretários cheguem a um consenso sobre uma proposta.

Nesta quarta-feira, 25, o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Alexandre de Moraes, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), participaram de um encontro com o presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se mostrou disposto a dar agilidade à votação do projeto na Câmara assim que ele for enviado ao Legislativo. 


O governo de São Paulo tem liderado essa demanda por ser um dos Estados mais afetados com o uso de explosivos para roubo de caixas eletrônicos. De acordo com Moraes, o Estado registrou 28 casos só no mês passado. Ele explica que um dos pontos que estimulam a prática do crime é a baixa punição aplicada, de três a cinco anos de detenção, por ser o delito classificado como "furto qualificado". A proposta do secretário é que a mudança na lei possa permitir uma punição mais severa, semelhante à de prática de roubo qualificado, em que o autor do crime pode ter pena de 5 a 12 anos.

"Mas não só isso, há a necessidade de que a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) tome as medidas necessárias que já acertamos em São Paulo e que devem ser passadas para o resto do País", disse, explicando a necessidade de se fazer um georreferenciamento dos caixas eletrônicos, além da aplicação de outras medidas de proteção nos terminais. 

Outra demanda do governo paulista, segundo Moraes, é que seja alterado o decreto de regulação de dinamites. O secretário defende a proibição de da fabricação de banana de dinamites, o que considera um "atraso" para o País, lembrando que em outros locais existe apenas o uso de explosivos mais sofisticados, que não podem ser manipulados por qualquer pessoa.

Reunião. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, participou de encontro na manhã desta quinta com secretários de segurança pública de 24 Estados. Ao sair do evento, o ministro disse que enfrentar o assalto a caixas eletrônicos é um dos desafios do País. " Diante disso criamos um grupo de trabalho já nos governos anteriores que discutiram mudanças legislativas e a nossa ideia é agora retomar a discussão para que num curto espaço de tempo possamos encaminhar ao Congresso Nacional esse projeto de lei", declarou, acrescentando que há uma "boa vontade" do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em pautar a matéria na Câmara dos Deputados assim que ela for enviada ao Legislativo.

O ministro disse ainda que o encontro visa uma maior política de integração entre União e as unidades da federação em termos de segurança pública. "O problema da segurança pública não é um problema um Estado ou da União, é um problema do Estado brasileiro. Ou a gente supera aquele jogo de empurra clássico, em que um diz que a culpa é do outro, sem resolver ou nós ficaremos patinando vendo a violência crescendo", disse Cardozo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.