Ministério esclarece que UniTrabalho não pertence a Lorenzetti

O Ministério do Trabalho esclareceu nesta quinta-feira que a organização não governamental UniTrabalho é formada por 93 das mais importantes universidades do País e não pertence ao petista Jorge Lorenzetti. Ele, no entanto, como professor universitário, foi um dos fundadores da ONG embora não esteja mais ligado à entidade.Em entrevista coletiva, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, negou que o Ministério tenha repassado R$ 18,5 milhões para a ONG. De acordo com Marinho, desde 2003 foram feitos três convênios com a UniTrabalho, somando R$ 14 milhões. O primeiro deles foi de R$ 2,5 milhões para avaliação de programas de qualificação profissional e estudos na área. Em 2004, outro convênio foi feito por R$ 4,6 milhões, também para avaliação dos programas de 2004 e 2005. No ano seguinte, outro no valor de R$ 6,8 milhões para avaliação de 2006 e cursos de especialização para gestores do sistema. No dia 14 deste mês, o ministério liberou o pagamento de uma parcela de R$ 3,4 milhões para a ONG. De acordo com Marinho, era a segunda parcela do convênio de 2005, que atrasou devido a problemas de documentação na prestação de contas do convênio anterior.Ainda segundo o ministro, os valores são semelhantes aos dos últimos anos do governo de Fernando Henrique Cardoso. Ele afirmou também que o funcionário do ministério chamado André Bucar não é o "André" mencionado por Gedimar Passos e Valdebran Padilha como o homem que lhes teria entregue R$ 1 milhão na sexta-feira, em São Paulo, como parte do pagamento que a dupla faria na compra de um dossiê contra candidatos do PSDB. Segundo o ministro, a descrição de André feita por Gedimar não bate com o perfil do funcionário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.