Ministério inspeciona atendimento aos contaminados por chumbo

Técnicos do Ministério da Saúde estiveram hoje em Bauru acompanhando os trabalhos que as equipes das secretarias municipal e estadual de Saúde desenvolvem junto à população atingida pelas partículas de chumbo expelidas pela unidade metalúrgica da Indústria de Acumuladores Ajax. A equipe multidisciplinar que atende as crianças, cuja contaminação já foi confirmada pelo Instituto Adolfo Lutz, se reuniu hoje para avaliar o primeiro dia de atendimento e adorar medidas de racionalização. Os técnicos decidiram atender 40 e não 50 pessoas num só dia, para evitar esperar e problemas operacionais. Alguns exames serão realizados em dias separados dos testes neurológicos, para evitar alterações decorrentes do cansaço dos pacientes. Até agora existem 133 crianças com o quadro de contaminação confirmado e aproximadamente 300 ainda aguardando resultados das amostras remetidas ao laboratório. Todas exigem avaliação criteriosa, pois o tratamento para expelir o excesso de chumbo provoca danos renais. Além do tratamento relativo à poluição, as crianças também receberão tratamento dentário e ortodôntico na Faculdade de Odontologia da USP.A Cetesb também coletou amostras do solo para determinar o grau de contaminação da área, que poderá resultar na remoção dos mais de 5 mil moradores da região atingida. A agência ambiental também aguarda o cumprimento pela indústria das 28 exigências técnicas para permitir sua volta à operação. O vereador Rodrigo Agostinho (PMDB), diretor do Instituto Ambiental Vidágua, que provocou a interdição judicial da empresa, pediu ao prefeito que promova também a sua interdição em nível municipal, com o objetivo de evitar que os cofres da Prefeitura venham a ser responsabilizados pelos danos que a fábrica de baterias causou ao funcionar sem licença ambiental.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.