Ministério libera 7 toneladas de remédios e materiais médicos para o Rio

UPA de Teresópolis voltou a funcionar após falta de energia; Nova Friburgo vai montar hospital de campanha

Agência Estado,

13 de janeiro de 2011 | 10h14

SÃO PAULO - O Ministério da Saúde anunciou o envio de 7 toneladas de remédios e materiais médicos para os moradores do Rio atingidos pelas chuvas no Estado, que mataram centenas de pessoas. Os estojos podem atender a 45 mil vítimas durante um mês. Nesta quinta-feira, 13, o ministro Alexandre Padilha acompanha a presidente Dilma Rousseff em vistoria às áreas atingidas.

 

Os anti-inflamatórios, antiparasitários, analgésicos, antitérmicos, anti-hipertensivos, ataduras, luvas e seringas, entre outros componentes, serão usados, principalmente, em Teresópolis e Nova Friburgo.

A primeira leva de 10 kits, com 2,5 toneladas, seria enviada ainda. O embarque estava previsto para às 13h30, saindo do aeroporto internacional de Brasília. Segundo a pasta, ao todo serão enviados 30 kits

 

Além disso, o ministério monta um esquema especial de atendimento nos hospitais federais. O Departamento de Gestão Hospitalar Federal (DGH) pôs à disposição parte das 75 salas cirúrgicas dos hospitais federais (Andaraí, Bonsucesso, Cardoso Fontes, Lagoa, Ipanema e dos Servidores).

 

As cirurgias eletivas, sem caráter emergencial, podem ser adiadas para dar prioridade aos feridos com as chuvas. Médicos e enfermeiros serão enviados às regiões castigadas. De acordo com o ministério, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Teresópolis voltou a funcionar após queda de energia. Hospitais filantrópicos da região também terão mais verbas para ampliar atendimento - o valor será definido pelo governo do Rio, que pedirá o montante ao governo federal.

 

Hospitais de campanha. Já em Nova Friburgo, um hospital de campanha foi montado pelo governo do Estado e já está funcionando. A pasta bancará o custeio da operação.

 

A unidade, com cinco leitos, foi montada próximo à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e da Prefeitura local. Trabalham no hospital 10 médicos, sendo cinco socorristas do Corpo de Bombeiros e cinco clínicos gerais civis, mais quatro técnicos em enfermagem e dois enfermeiros.

 

A previsão é de que na sexta-feira, 14, seja instalado um hospital de campanha em Nova Friburgo, uma das cidades serranas atingidas pelos deslizamentos de terra.

 

Ainda segundo o ministério, a administração federal mantém contato com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo para verificar a necessidade de remessa de insumos também para as vítimas paulistas.

 

Atualizado às 13h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.