Ministério Público busca resolver ocupação irregular da BR-060 (GO)

Ambulantes e donos de quiosques trabalham no acostamento da rodovia federal, em Terezópolis

estadão.com.br,

03 Fevereiro 2012 | 14h47

SÃO PAULO - Uma reunião foi realizada na tarde desta quinta-feira, 2, para tentar solucionar a ocupação irregular da BR-060, em Goiás. Participaram do encontro o procurador da Ailton Benedito, do Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO), o prefeito de Terezópolis, Uilton Pereira, além de agentes da superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com a superintendência da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Ambulantes e donos de quiosques e barracas usam o acostamento da rodovia federal, no perímetro urbano de Terezópolis, como local de trabalho. A audiência teve ainda a presença de um representante da sociedade civil e dos proprietários de quiosques e barracas localizadas na BR-060.

Uma nova audiência deve ser realizada no dia 12 de março, às 15h, para apresentação de propostas ao MPF, para solucionar a situação dos ambulantes e delinear o projeto para construção do centro comercial e vias de acesso.

A existência de comércio no trecho da rodovia diminui a segurança do local, pois ao parar no acostamento para adquirir os produtos os motoristas podem provocar acidentes. Existe ainda a possibilidade de atropelamento dos pedestres que atravessam a BR-060 para trabalhar ou fazer compras.

O procurador da república frisou que o município goiano precisa garantir a imediata retirada e o não retorno dos ambulantes ao acostamento da BR-060. O prefeito de Terezópolis e o representante da sociedade civil salientaram a necessidade de regularizar a situação dos proprietários das barracas e quiosques que trabalham no acostamento da rodovia para sobreviver.

Mais conteúdo sobre:
BR-060Goiás. MPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.