Ministério Público denuncia Abadía por lavagem de dinheiro

Procuradora também denuncia outras 15 pessoas que seriam ligadas ao megatraficante colombiano

Pedro Henrique França, da Agência Estado,

14 de setembro de 2007 | 17h25

O megatraficante colombiano Juan Carlos Ramírez Abadía foi denunciado nesta sexta-feira, 14, por lavagem de dinheiro pelo Ministério Público Federal. A denúncia foi feita à 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Abadía foi preso em São Paulo no dia 7 de agosto e é acusado de lavar cerca de US$ 9 milhões arrecadados com o tráfico internacional de drogas. O traficante é acusado ainda por outros três crimes: formação de quadrilha, falsidade ideológica e corrupção ativa.    Veja também:  Conheça os mais famosos criminosos que escolheram o Brasil - e suas praias - como refúgio Traficante tem fortuna avaliada em R$ 3,4 bi Traficante colombiano está no Brasil há 3 anos Imagens da operação que prendeu Abadia   Além de Abadía, a procuradora da República Thaméa Danelon Valiengo denunciou também outras 15 pessoas. A denúncia será apreciada pelo juiz federal Fausto Martin de Sanctis.   Abadía é um dos principais líderes do Cartel Vale Del Norte, da Colômbia, e é processado pelos Estados Unidos tráfico internacional de drogas. Por conta do pedido de extradição formulado pelos EUA para o governo colombiano, Abadía fugiu para o Brasil em julho de 2004. Na fuga, teria usado mais de 30 documentos falsos, feito plásticas e subornado agentes públicos   Em depoimento à Polícia Federal ele afirmou que partiu de barco da Venezuela para o Ceará, com US$ 4 milhões. Depois, ele conseguiu entrar com mais US$ 5 milhões no País. A PF apreendeu com Abadía e na casa do pai do motorista de um dos integrantes do bando o total de US$ 1,255 milhão, 604 mil euros, além de R$ 15 mil.   Com o apoio de membros da quadrilha e de pessoas recrutadas no Brasil, Abadía adquiriu em nome de laranjas três casas - em São Paulo, Florianópolis e Angra dos Reis -, além de uma fazenda no Rio Grande do Sul e um sítio em Pouso Alegre, em Minas Gerais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.