Ministério Público quer interditar fonte multimídia de SP

O Ministério Público Estadual (MPE) teme que afonte multimídia do Ibirapuera, com 110 metros de comprimento e 673 jatos de água que movimentam até 60 mil metros cúbicospor minuto, se transforme em gigantesco foco difusor de agente patogênicos contido nas águas poluídas do lago, pondo em riscoa saúde a segurança pública. Por isso, o promotor de Justiça do Meio Ambiente, Geraldo Rangel de França Neto instaurou hoje inquérito civilpúblico para apurar os fatos em 10 dias, além de possível violação ao decreto de tombamento histórico do Parque Ibirapuera. Se as investigações confirmarem a suspeita, o MPE pretende ingressar com ação civil pública com pedido de liminar, parainterditar a fonte, cuja a inauguração está prevista para o dia 24, para comemorar os 450 anos de São Paulo. Não descartatambém a possibilidade de propor ações cautelares para impedir os testes que se iniciarão dia 12. Baseado em laudo do engenheiro Doron Grunn, assistente técnico do MPE, o promotor requisitou hoje informações emcaráter urgente às secretarias estadual e municipal do Meio Ambiente, ao Condephaat --órgão responsável pelo patrimôniohistórico e que já vetou a fonte--, Faculdade de Saúde Pública e a Vigilância Sanitária. Foi também expedido ofício ao CET--Compahia Estadual de Trânsito--, para que avalie o impacto que o projeto terá sobre o trânsito da região. As telas de água, onde serão projetados os filmes, poderão provocar congestionamentos ou mesmo acidentes graves, pois os motoristas teriam a atenção desviada. O promotor França Neto observa que todos os usos de água contaminada ou potencialmente contaminada com algum poluentedevem ser controlados, de modo a evitar ou minimizar o risco à saúde pública. As águas dos lagos do Parque Ibirapuera são?sabidas e reconhecidamente poluídas? pelo Córrego do Sapateiro, receptor de poluentes de esgotos. Nos lagos, entre outrosmicrorganismos patogênicos, foi detectada a presença de coliformes fecais, giárdia, cryiptosporidium enterovírus. Segundo ele, como a fonte é um conjunto de grande aspersores de água, colocará a população em contato direto com a água poluída, através dos aerosóis produzidos e da deposição de gotículas sobre a grama, muito utilizada pela população para seulazer, principalmente pelas crianças usuárias do parque. O promotor vai ainda requisitar à Prefeitura, estudo de impacto ambiental e de impacto de vizinhança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.