Ministério Público vai processar Cesar Maia por irregularidades no contrato

O Ministério Público do Estado do Rio vai entrar com ação civil pública na Justiça contra o ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM) e o ex-presidente da Empresa Municipal de Urbanização (RioUrbe) João Luiz Reis da Silva por irregularidades no contrato para a construção da Cidade da Música, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio). Ontem, o promotor Gustavo Nogueira participou de vistoria das obras inacabadas do maior complexo de salas de concerto da América Latina. A ação, segundo o promotor, vai pedir a restituição aos cofres públicos de parte do dinheiro gasto na obra. Na vistoria, o promotor recolheu dados para checar denúncias de fraudes e superfaturamento feitas por uma auditoria determinada pelo atual prefeito, Eduardo Paes (PMDB).A Cidade da Música ocupa 95 mil metros² e tem 87 mil metros² de área construída. Cinco dias antes de deixar a prefeitura, em dezembro, Maia inaugurou o maior complexo de música do Rio, tendo apenas a Grande Sala acabada. O promotor questionou a pressa para a inauguração. "Foi colocado dinheiro aqui só para essa inauguração", afirmou.Maia disse, por e-mail, que o Ministério Público está cumprindo seu dever. "As investigações com peritos oferecerão ao Ministério Público as informações que o interesse político oculta. Quem mais quer a investigação do órgão são todos os envolvidos na construção. Estranho que nunca citem as empreiteiras. Se há falhas por cinco anos, as empreiteiras terão de corrigir", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.