Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

''Ministério rosa'' altera cenário da Esplanada

Com mais mulheres em cargos estratégicos no governo, flores passaram a decorar ambientes e letreiros de portas e veículos estão sendo trocados

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2011 | 00h00

A placa do veículo oficial da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) informa "Ministro de Estado chefe da SPM/PR". Como a pasta jamais foi comandada por homens, a ministra Iriny Lopes já pediu uma nova placa. Além das adaptações gramaticais de gênero em veículos e letreiros, a Esplanada rosa do governo Dilma Rousseff trouxe mudanças ao cinzento meio político: mais mulheres em postos estratégicos, mais orquídeas nos gabinetes e uma preocupação a mais para assessorias - carregar a bolsa da ministra.

Em seu discurso de posse, Miriam Belchior (Planejamento) frisou a importância da presença feminina no poder. "Além de toda responsabilidade que assumo hoje como gestora do Ministério do Planejamento, tenho outra missão a cumprir, juntamente com a nossa presidenta e as outras ministras: demonstrar que as mulheres podem dividir com os homens a condução do País."

Miriam ainda não completou sua equipe, mas privilegiou mulheres nos cargos mais importantes. Escolheu Iraneth Rodrigues Monteiro para a Secretaria Executiva (na prática, uma vice-ministra), e manteve Célia Corrêa na Secretaria de Orçamento Federal. Na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, a chegada de Luiza Bairros reverteu a divisão entre mulheres e homens no corpo de funcionários: elas são 73 ; eles, 72. Na SPM são 95 contra 25.

"É preciso mudar a cultura, já que a sociedade e o meio político ainda são muito machistas", disse Iriny ao Estado. "A placa (de carro) é um símbolo, e símbolos têm muita força. Ministro e ministra são coisas diferentes." Suas colegas de governo Ana de Hollanda (Cultura) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente) já circulam com o "A" de ministra estampado sobre rodas.

No caso de Ideli Salvatti (Pesca e Aquicultura), ela já havia começado a trabalhar no "gabinete do ministro", quando, na quinta-feira, duas letras de metal coladas com SuperBonder e Araldite rebatizaram o espaço como "gabinete da ministra".

Detalhes. Para assessores, a nova rotina traz mudanças. "Você tem de ficar atento à bolsa, carregá-la. De vez em quando ligar pra família para ver se está tudo bem, olhar a maquiagem", diz um deles. A preocupação com os retoques estéticos é ainda maior na presença de câmeras.

Com mais afeição aos detalhes, as mulheres do governo gostam de conferir toques pessoais aos locais de despacho. Izabella Teixeira, por exemplo, adora orquídeas. As plantas também são queridas por Maria do Rosário (Direitos Humanos) e Iriny, que pretende decorar com folhagens os corredores da Secretaria. / COLABOROU LU AIKO OTTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.