Ministério terá estudo sobre rodovias afetadas por chuvas

O governo deve divulgar ainda hoje um relatório informando quais são os trechos rodoviários mais prejudicados pelas chuvas dos últimos dias, informou hoje o ministro dos Transportes, Anderson Adauto. "O ministério está avaliando os ponto s críticos em todo o Brasil".O Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transporte (DNIT) começa hoje a primeira obra fiscalizada pelo Exército, conforme entendimentos entre os Ministérios dos Transportes e da Defesa. Os serviços serão realizados no km 18 da BR-262, em Minas Gera is, trecho onde o tráfego foi interrompido pelasenchentes. Os trabalhos serão executados em caráter emergencial e, por isso, terão dispensa de licitação. As obras serão concluídas em 30 dias, custarão R$ 800 mil e serão realizadas pela construtora Ferfranco. Ramal ferroviário O ministro Adauto conversou hoje com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sobre a possibilidade de construir um novo ramal ferroviário para facilitar o fluxo de carga com destino ao Porto de Santos. O governo do Estado tem um projeto de construir um anel ferroviário (ferroanel) para retirar de dentro da cidade as ferrovias de carga. Atualmente, a concessionária MRS Logística utiliza a mesma estrutura de trilhos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (XCPTM) dentro da cidade, provocando prejuízos para ambas as empresas. A MRS defende a construção de um ferroanel, obra que depe nde da definição de financiamentopara sair do papel. O projeto que será discutido entre Alckmin e o governo federal incluirá estudos sobre como separar as linhas férreas da Região Metropolitana de São Paulo entre as empresas que transportam passageiros e as que transportam carga. AssociaçãoAnderson Adauto participou da solenidade de lançamentoda Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Cargas (ANUT), no Hotel Hilton Morumbi. A associação foi formada por 20 empresas privadas com o objetivo de discutir, em conjunto com o governo, s oluções para melhorar o transporte por ferrovia e por via marítima no Brasil. "As metas gerais do governo Lula são garantir recursos parra a infra-estrutura e onerar o menospossível o setor produtivo", disse o ministro. De acordo com ele, o governo quer equiparar custos, tempo de movimentação de carga e a qualidade dos serviços portuários aos padrões internacionais. "Os projetos serão discutidos em audiência pública, pois a marca deste governo é o diálogo com a sociedad e", declarou o ministro no discurso. Ao final da solenidade, Adauto evitou a maioria das perguntas dos jornalistas. Ele é apontado como o primeiro ministro que poderá deixar o governo Lula por ter sido citado num caso de desvio de R$ 4 milhões da Prefeitura de Iturama (MG).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.