Ministro cobra transparência dos Garotinhos

O ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, cobrou transparência das autoridades do Rio de Janeiro na investigação da rebelião na Casa de Custódia de Benfica, na zona norte da capital fluminense, onde morreram pelo menos 31 pessoas. Desde o último sábado, o secretário estadual de Segurança Pública, Anthony Garotinho, e sua mulher, a governadora Rosinha Matheus (PMDB), vinham evitando falar sobre o assunto. Nilmário reclamou que entidades como a Pastoral Carcerária não tiveram acesso às dependências do presídio, logo após o fim da rebelião. ?Uma atitude de pouca transparência ou nenhuma transparência?, classificou. ?Quando acontece esse tipo de tragédia, a transparência é importante para mostrar que não tem nada que não possa ser compartilhado pela sociedade?, disse o ministro, que na noite de ontem assistiu, em Belo Horizonte, ao jogo entre Brasil e Argentina, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006.Nilmário fez críticas à política de segurança adotada pelo governo do Rio, que, segundo ele, em certos aspectos, é de ?alto risco?. ?Lá tem coisas estruturais: uma política de colocar facções rivais no mesmo lugar, de alto risco?, disse. ?Dobrou a população carcerária e foi mantido o número de agentes penitenciários, que também é uma situação de alto risco?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.