Ministro da defesa admite desmilitarização do controle aéreo

A desmilitarização do controle do espaço aéreo brasileiro é uma aspiração "absolutamente legítima", que será definida "eventualmente, nesta quinta-feira ou depois" pelo governo, afirmou na quarta, 8, no Rio, o ministro da Defesa, Waldir Pires. Ele não quis entrar em detalhes sobre como esse processo de discussão se dará e garantiu que não existem conflitos entre autoridades civis e militares."Não se trata de existir proposta de desmilitarização, e sim de uma aspiração de cidadãos civis que querem plano de controle civil. E de militares que têm de cumprir seus deveres", disse Pires a jornalistas, depois de falar a uma platéia militar, na Escola de Guerra Naval. Ele participou do 6° Encontro Nacional de Estudos Estratégicos. O ministro vinha defendendo a transferência do controle para os civis - como acontece em muitos países, conforme ele gosta de lembrar. Pires negou que haja qualquer mal-estar entre ele e o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos Bueno, por conta da crise nos aeroportos, provocada pela operação-padrão dos controladores de vôo."Isso não existe, nunca existiu. Não houve um dia (da crise) em que eu não tivesse conversado com o brigadeiro Bueno, nenhum dia." Mais uma vez, o ministro disse que não tinha conhecimento de que a situação dos controladores era grave. Alegou que se soubesse de todos os "detalhes", "não administraria".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.