Ministro da Justiça descarta intervenção no Rio

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse que a intervenção no Rio de Janeiro está descartada, assim como a colocação do Exército nas ruas. "Nem pensamos em intervenção. Vamos anunciar algumas medidas e intensificar a cooperação com o governo do Rio de Janeiro", disse o ministro, que embarca hoje para o Rio, para discutir medidas de combate à violência com a governadora Rosinha Matheus. O ministro, no entanto, não quis antecipar as medidas que pretende anunciar no Estado. Ele disse apenas que são medidas nas áreas de inteligência e operacional. Thomaz Bastos informou que os governos federal e do Rio vão assinar um convênio para a construção de uma área de proteção em torno do presídio de Bangu e definir um cronograma de liberação de novos recursos, que totalizariam R$ 40 milhões. "O governo federal não vai se omitir das suas responsabilidades. Vamos oferecer cooperação", disse o ministro, que participou da abertura da conferência sobre a Convenção Interamericana contra a Corrupção, na sede do Ministério Público do DF. Durante a conferência, o ministro disse que um dos aspectos fundamentais da grande crise de segurança que se abateu sobre o Brasil, e que tem contornos dramáticos, é a corrupção. "Temos certeza que a questão é cultural e é preciso criar uma consciência de intolerância à corrupção, ao crime organizado e à lavagem de dinheiro. que viaja hoje ao Rio de Janeiro para discutir medidas de combate a violência", afirmou.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.