Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Ministro da Justiça diz que Plano Nacional de Segurança é 'realista'

Segundo Alexandre de Moraes, proposta será encaminhada para as secretarias de seguranças estaduais, que ao longo deste mês também contribuirão dando novas sugestões

Erich Decat, Rafael Moraes Moura e Isadora Peron/Brasília, O Estado de S. Paulo

06 de janeiro de 2017 | 12h20

BRASÍLIA - Em meio a uma sequência de massacres em presídios na Região Norte, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, detalhou na manhã de desta sexta-feira, 6, no Palácio do Planalto, o Plano Nacional de Segurança Pública, que ainda deverá passar por alterações.

Menos de uma semana após o massacre ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, a Secretaria de Justiça e Cidadania de Roraima informou, na manhã de hoje, que 31 pessoas morreram na madrugada na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista. O episódio não foi comentado pelo ministro durante a apresentação do projeto.

Ao longo de sua fala, o ministro considerou que o Plano apresentado é “extremamente realista”. “O que está previsto no plano vai ser efetivado. Para nada vai faltar dinheiro”, afirmou.

Ele lembrou, contudo, que o que foi apresentado hoje também será encaminhado para as secretarias de seguranças estaduais, que ao longo deste mês também contribuirão dando novas sugestões. A ideia do governo é operacionalizar o Plano a partir de fevereiro.

“Não é um plano de intenções, é um plano operacional para colocar a partir, em fevereiro, com operações, realizações dos três eixos principais que foi estabelecido”, afirmou.

Os eixos centrais do projeto foram anunciados ontem: o primeiro tem como objetivo reduzir homicídios dolosos e a violência contra mulher. O segundo o combate integrado à criminalidade. E o terceiro é a racionalização e modernização do sistema penitenciário.

“Segurança pública não é só questão de polícia; é questão social, de integração com MP e Poder Judiciário”, disse o ministro.

Ações. Entre as ações pontuadas pelo ministro na apresentação estão a criação de uma nova matriz curricular de formação policial, o aumento gradativo do efetivo da Força Nacional, para realização de operações conjuntas com polícias, implantação e interligação de sistema de videomonitoramento nos Estados e municípios nos centros integrados de combate e controle Regionais.

O ministro também anunciou que ao menos 837 câmeras da Polícia Rodoviária Federal serão implantadas, até o final do ano, para identificação de veículos. O investimento feito será de R$ 38 milhões. A ideia é chegar a um número de 935 câmeras.

Também faz parte do plano a implantação da rádio comunicação digital em todo o País, até o final de 2017. “Estamos priorizando as fronteiras para ter um combate mais efetivo ao narcotráfico. Vamos estender isso na medida do possível realizando convênios com os Estados”, informou.

O ministro também lembrou que a pasta já tem em curso a implantação de um sistema de identificação de armas de fogo por meio do DNA. O banco de dados criado também deverá ser compartilhado entre os Estados. “Já destinamos dinheiro para instalação de laboratório central de perícia criminal em Brasília”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.