Ministro diz que PF receberá informações para investigar o acidente da Gol

O ministro da Defesa, Waldir Pires, pediu que o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) repasse à Polícia Federal (PF) as informações necessárias à investigação sobre as causas do acidente com o Boeing 737-800, da Gol Linhas Aéreas e o jato Legacy, que causou a morte de 154 pessoas no dia 29 de setembro, em Mato Grosso. Sediado no Rio de Janeiro, o Decea é ligado ao Comando da Aeronáutica e comandado pelo tenente brigadeiro-do-ar Paulo Roberto Cardoso Vilarinho.Impaciente com a demora no repasse de informações pela Aeronáutica, consideradas fundamentais para as investigações do acidente, o delegado da Polícia Federal Renato Sayão pediu nesta segunda-feira, 16, ao Ministério da Defesa pedir ao ministro Waldir Pires que centralize o recebimento dos dados já disponíveis e os repasse à PF, ainda esta semana. Sayão disse que só vai tomar depoimento dos pilotos do Legacy depois de analisar os dados técnicos apurados pela Aeronáutica. "Não me deram nada, nem a relação dos operadores de vôos. Não sei nada, não me falaram nada", protestou.O delegado quer que o Ministério da Defesa ajude a Polícia Federal a obter com a Aeronáutica a escala dos controladores e supervisores de vôo que estavam trabalhando em Brasília, Manaus e São José dos Campos no dia do acidente.DocumentoO documento com o pedido de informações foi examinado pela consultoria jurídica do ministério, de acordo com Waldir Pires. ?A consultoria jurídica já examinou, já me disse da propriedade do pedido feito pela Polícia Federal, não há problema nenhum?, informou o ministro, em entrevista à Agência Brasil. ?Dei instruções no sentido de que o delegado seja imediatamente recebido lá no departamento, converse com o brigadeiro Vilarinho, e todas as coisas serão abertas para o delegado federal, sem nenhuma dúvida?, completou.Sayão precisa da lista para marcar os depoimentos dos controladores e dos supervisores de vôo. Segundo a assessoria de imprensa da PF, o delegado também pediu as gravações e conversas entre os pilotos do jato Legacy - que colidiu com o Boeing - e os funcionários das torres de controle, assim como a cópia da transcrição das caixas-pretas do Legacy e do Boeing, que estão sendo analisadas no Canadá.Caixas-pretasAs informações contidas nas caixas-pretas do Boeing 737-800 da Gol e do jato Legacy devem chegar ao Brasil até quinta-feira, 19, informou o ministro da Defesa, Waldir Pires, em entrevista à Agência Brasil. A transcrição das caixas-pretas está sendo feita na Organização de Aviação Civil Internacional, sediada no Canadá.Segundo o ministro, o trabalho está em fase de conclusão e é fundamental para as investigações sobre a colisão entre os dois aviões, que resultou na morte dos 154 ocupantes do Boeing. Pires informou que o presidente da comissão de investigação sobre o acidente, coronel Rufino Antônio da Silva Ferreira, trará as os dados para o Brasil."A massa essencial de informações está nas caixas-pretas que não voltaram ainda do Canadá, provavelmente nós teremos elas dentro de 24 horas, 48 horas?, disse Pires. De acordo com ele, as equipes de busca que trabalham no local do acidente continuam à procura do cilindro de voz da caixa-preta do avião da Gol. O ministro também afirmou que não recebeu informação oficial de que teria havido contato por rádio entre o piloto do jato e os controladores de vôo pouco antes do acidente. A gravação do diálogo foi divulgada nesta segunda pela imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.