Ministro do STJ sugere construir prisão em ilha oceânica

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, sugeriu nesta sexta-feira a construção de um presídio em ilha oceânica para abrigar "criminosos barra-pesada"."Tenho certeza de que a população brasileira compareceria a um chamado em busca de donativos em dinheiro para a construção de uma moderna penitenciária federal, destinada aos criminosos barra-pesada, em alguma das nossas ilhas oceânicas", disse.Para ele, essa solução evitaria os gastos com transferências de presos mais perigosos de um presídio para outro. "Só com as transferências do conhecido Beira-Mar gasta-se quase cinco vezes mais (R$ 300 mil) do que o valor médio correspondente a um preso comum no País", afirmou o ministro.Edson Vidigal alertou para o perigo de a insegurança existente atualmente no Rio de Janeiro se espalhar para outras cidades. "O que se passa hoje no Rio de Janeiro é só um aviso a todo o País", disse."Se o crime organizado dominar o Rio de Janeiro, que ainda é um grande tambor do Brasil, logo se espraiará mais firme pelo que ainda restará do País", afirmou o vice-presidente do STJ durante discurso de inauguração de um fórum no Maranhão.O ministro disse que atualmente o principal empregador de jovens entre 11 e 18 anos no Rio é o tráfico de drogas. "O tráfico de drogas atua de forma organizada como grande empresa, treinando jovens e pagando-lhes salários que nem a iniciativa privada e nem o Estado conseguem pagar", observou. Segundo Edson Vidigal, os jovens ´gerentes´ dos pontos de venda ganham salários médios de R$ 1,7 mil.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.