Ministro e presidente da Infraero vão sair

Lula anunciou afastamento ainda para esta semana

Lisandra Paraguassú e Leonencio Nossa, O Estadao de S.Paulo

21 Julho 2007 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva avisou ontem aos ministros mais próximos que o titular da Defesa, Waldir Pires, e o presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), José Carlos Pereira, devem deixar seus cargos até a próxima semana. Na tarde de ontem, Lula convocou uma reunião técnica preparatória para o encontro do Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac), que ocorre hoje no Ministério da Defesa. Em outro sinal de que o ministro está de saída, o governo fez, ontem de manhã, uma reunião da coordenação política para tratar da crise aérea, mas não convocou Pires. Formalmente, ele não faz parte desse núcleo de decisões, mas ministros de outras áreas sempre são chamados para os encontros da coordenação quando são discutidos assuntos afeitos aos seus ministérios. Respondendo a uma pergunta sobre pressões que estaria sofrendo para deixar o cargo, Pereira disse à tarde, no Planalto, que só está cuidando das investigações a respeito do acidente com o Airbus. Sobre deixar o cargo e quem pode substituí-lo, respondeu: ''''Sei lá, estou pronto para sair a qualquer hora.'''' Sobre um substituto disse não ter a ''''menor idéia''''. Mesmo considerando que o acidente com o avião da TAM não tem relação com a crise aérea, a avaliação do presidente é que a cúpula do setor aéreo perdeu a condição de se manter nos cargos. Um outro civil deverá ocupar o cargo de Pires. Pelos planos traçados ontem, o Conac, órgão ligado à Presidência, ganhará mais poder e influência para gerenciar o sistema aéreo brasileiro. Na reunião da coordenação política, o presidente cobrou idéias dos ministros presentes - Guido Mantega (Fazenda), Paulo Bernardo (Planejamento), Dilma Rousseff (Casa Civil), Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais), Tarso Genro (Justiça) e Franklin Martins (Comunicação Social). Foram discutidas alternativas que há tempos vêm sendo estudadas e serão levadas à reunião do Conac. A lista de medidas de curto e médio prazos para aliviar o tráfego aéreo no Aeroporto de Congonhas incluiu a redução do número de vôos, principalmente nos horários de pico. Em conversas com interlocutores, Lula tem deixado claro o respeito pelo ministro da Defesa, mas considera que não dá mais para segurá-lo no cargo. Agora, começam as análises de perfis de civis que podem ocupar a pasta. O presidente disse estar satisfeito com o trabalho do comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, mas descarta entregar o ministério a militares. Lula demonstrou que vai se interessar mais diretamente pelos problemas da crise do setor aéreo. ''''Quero respostas rápidas'''', cobrou o presidente, que se reuniu com Saito, reservadamente, por uma hora. 6 ministros foram cobrados pelo presidente Lula a dar alguma idéia para resolver a crise do setor aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.