Ministro espera ''atestado'' da PGR para se explicar publicamente

Ideia é dar entrevista para um canal de TV de grande audiência, em horário nobre, logo após a manifestação de Gurgel

Vera Rosa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2011 | 00h00

Na expectativa de receber ainda nesta semana um atestado de "nada consta" por parte do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, já prepara uma estratégia de comunicação para explicar as denúncias que pesam contra ele. A ideia é dar uma entrevista para um canal de TV de grande audiência, em horário nobre, logo após a manifestação de Gurgel.

Palocci combinou com a presidente Dilma Rousseff que só vai romper o silêncio depois do parecer de Gurgel, previsto para quinta-feira, a fim de não melindrar o chefe do Ministério Público. Se tudo correr como o script traçado pelo Palácio do Planalto, sem a abertura de investigações, o ministro da Casa Civil pretende circunscrever a crise e as acusações de enriquecimento ilícito a mais um capítulo do que o governo chama de "conflito político".

Recluso em seu gabinete do quarto andar do Palácio do Planalto, fumando muito, Palocci já analisa com advogados e amigos as linhas gerais de suas explicações públicas.

Há quem defenda, no governo, a ideia de que o ministro também faça um pronunciamento. Até agora, no entanto, o mais provável é que dê uma entrevista a uma emissora de televisão.

Mesmo sem revelar o faturamento da empresa de consultoria que manteve quando era deputado nem os seus clientes, a intenção de Palocci é bater na tecla de que não feriu a ética pública, ainda que esse discurso soe apenas como frase de efeito.

Nas conversas reservadas, o ministro tem insistido no argumento de que cumpriu um período de quarentena de quatro meses quando deixou o Ministério da Fazenda, em 2006. Sob cerco político e intenso bombardeio, ele pretende exibir tranquilidade para destacar, durante a entrevista, que deu palestras remuneradas e fez análises econômicas somente após essa quarentena.

Prática comum. Palocci sustentará, no entanto, que a prática é muito comum entre ex-ministros e ex-presidentes. Na tentativa de dissipar suspeitas de tráfico de influência, ele também vai dizer que nunca aceitou empresas estatais nem órgãos públicos como clientes.

O Planalto tenta a todo custo segurar o chefe da Casa Civil e aguarda um parecer favorável da Procuradoria-Geral da República para espantar a crise.

Enquanto o sinal verde do Ministério Público não vem, ministros procuram dar uma aparência de normalidade ao funcionamento do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.