Ministro insiste: terceiro aeroporto não é para já

Segundo Jobim, essa obra seria para atender aumento da demanda no País e não para enfrentar a crise aérea

Lisandra Paraguassú, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2002 | 00h00

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, não afastou a hipótese da construção de um terceiro aeroporto no Estado de São Paulo, mas jogou para o futuro a decisão. Ele afirmou ontem que a obra seria no longo prazo, para atender o aumento da demanda de tráfego aéreo no País, e não para ajudar a resolver a crise aérea. A obra no médio prazo seria mesmo a terceira pista do Aeroporto de Cumbica.''''Estamos pensando em uma perspectiva de aumento de demanda e que o terceiro aeroporto possa ser preparado para essa demanda'''', disse Jobim. ''''Não está absolutamente afastado o terceiro aeroporto, mas no momento não é o tema para resolver a questão emergencial.'''' Segundo ele, foi encomendado um estudo do aumento da demanda com perspectiva de 2020, o que não significa que seria esse o prazo para construção.''''Vamos continuar discutindo dois assuntos. Primeiro, de médio prazo, a terceira pista. Paralelamente, precisamos iniciar, ainda este ano, definições claras de um terceiro aeroporto, considerando a demanda'''', garantiu. ''''Em relação a tempo de construção de aeroporto, eu não tenho a mínima idéia.''''Na tarde de ontem, a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, voltou a dizer que o governo investiria num terceiro aeroporto, como foi decidido na última reunião do Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac) e anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva há 10 dias.No dia anterior, após falar com o governador José Serra, Jobim disse a Lula que a melhor hipótese era construir a terceira pista em Cumbica. Diferentemente do que pensava o governo, o número de desalojados para fazer a pista seria de 5 mil famílias, quatro vezes menor do que o estimado inicialmente.Segundo Jobim, as obras definitivas na pista de Cumbica devem começar em março, quando o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, estiver preparado para receber 21 vôos extras. Já as provisórias são urgentes e devem começar na próxima semana. O ministro disse que essas obras imediatas - que classificou de ''''cosméticas'''' - servirão para que Guarulhos receba emergencialmente os 151 vôos transferidos de Congonhas.As obras serão feitas de madrugada e haverá pousos e decolagens em uma pista apenas. ''''Não tínhamos condições ainda de levar esses 21 vôos para Viracopos porque ainda não há lá os elementos necessários para segurança de vôo'''', disse Jobim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.